saneamento basico

Alckmin e Dilma vão discutir crise da água na 2ª feira

São Paulo – O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou que a reunião que terá com a presidente Dilma Rousseff (PT) na próxima segunda-feira (10) será de trabalho e terá como temas centrais a questão hídrica e também a mobilidade urbana. “Há um conjunto de obras a ser feito em São Paulo que vamos entregar em novembro, dezembro e março e a participação do governo federal é muito importante”, disse ele, sem revelar valores. O encontro está marcado para as 15 horas, em Brasília.

Dentre as obras citadas por Alckmin estão a construção de duas estações de produção de água de reúso que vão abastecer diretamente as bacias dos sistemas Guarapiranga e Alto Cotia e o sistema São Lourenço. A participação do governo federal deve se dar, conforme ele, ou pela OGU, com recursos do orçamento da União, ou por financiamento que “ajuda e é bom”. Na questão do saneamento, o financiamento será para projetos na região metropolitana de São Paulo e Campinas.

De ontem para hoje, as chuvas que caíram em São Paulo evitaram que o sistema Cantareira apenas não reduzisse seu nível de armazenamento. Segundo informações da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), o indicador está em 11,6%, mesmo visto ontem. Na quarta-feira estava em 11,8%, caiu para 11,7% na quinta e agora permaneceu em 11,6%. Há um ano, conforme a Sabesp, estava em 25,4%.

Em termos de mobilidade urbana, o governador de São Paulo destacou que já há vários contratos assinados e que só falta liberar os recursos. O foco, segundo ele, é obter apoio do governo federal para investir na CPTM, incluindo as linhas 13 que vai para Guarulhos/aeroporto de Cumbica e a 9 que vai para Varginha na Zona Sul e reforma de estações. Ambas, segundo ele, já estão em obras. “São três convênios em torno de R$ 400 milhões cada, totalizando R$ 1,3 bilhão”, informou ele.

Alckmin participou hoje, no Parque da Água Branca, do início da campanha de vacinação contra o sarampo e a poliomielite (paralisia infantil). Em todo o Estado estarão abertos 5,9 mil postos de saúde fixos e volantes, das 8h às 17h.

FONTE E AGRADECIMENTOS: EQUIPE REVISTA EXAME

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »