saneamento basico
lodo

Projeto implantado em Piracicaba/SP transforma lodo de tratamento de esgoto em adubo

“Esse secador nada mais é que uma base de concreto em uma área de três mil metros quadrados, um trator agrícola e um conjunto de pás rotativas. Em um período de 30 dias, esse lodo depositado no sistema tem uma redução de três vezes o seu volume inicial”, explicou o gerente de engenharia e operações da concessionária, Valdir Alcarde Júnior.

LEIA TAMBÉM: BIOTECNOLOGIA AUXILIA NA REDUÇÃO DE DESCARTE DE LODO ORGÂNICO EM LATICÍNIO

Final do tratamento

No final do processo, o material seco tem a textura de terra e pode ser usado como adubo em plantações agrícolas. A USP desenvolve o estudo sobre a utilização desse resíduo para aplicação nas plantações.

O gerente explica ainda que, apesar de ser um processo relativamente simples, não pode ser feito de modo caseiro. “Para quem tem fossa em casa, não é simplesmente pegar aquele lodo proveniente da fossa e aplicar em uma base de concreto. Esse projeto teve um estudo de engenharia e autorização dos órgãos ambientais”, disse.

Júnior também orientou que, para os que têm fossa em casa, o ideal é contratar um serviço para remoção do lodo e transferência para uma estação de tratamento autorizada.

*(CORREÇÃO: O G1 errou ao dizer que a USP desenvolveu o projeto de reaproveitamento. Na verdade, quem desenvolveu o sistema foi a concessionária Mirante em parceria com a USP para aplicação na agricultura.)

Fonte: G1.

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »