saneamento basico
saneamento (1)

Tecnologia capta água da chuva e pode ser solução para enchente

Alternativa pode ser adotada para que cidades como BH fiquem menos marcadas pelas enchentes. A capital mineira tem o maior jardim de chuva do Brasil

Problemas comuns nos grandes centros urbanos nos meses de dezembro e janeiro são os impactos e tragédias causadas pelas chuvas que causam alagamentos, destroem casas, tiram vidas e provocam uma série de prejuízos aos órgãos públicos. Mas este problema não precisa ser resolvido apenas com obras estruturais.

No primeiro dia deste mês de dezembro, votação na plenária da Câmara Municipal de Belo Horizonte aprovou, por unanimidade e em segundo turno, o projeto de lei 1013, que concede incentivos fiscais para empreendimentos sustentáveis, que criarem jardins de chuva.


LEIA TAMBÉM: SISTEMAS DE DRENAGEM URBANA E O SANEAMENTO: UMA ANÁLISE CIENCIOMÉTRICA


Mas, afinal o que é jardim de chuva?

Na capital mineira, um recém-inaugurado hospital, optou por incluir no projeto do edifício bioclimático uma cobertura vegetal de 6.942 m² com capacidade para captar e armazenar até 370 mil litros de água pluvial excedente em um reservatório de 370 m³. É um dos maiores telhados verdes da América Latina. Todo volume de água drenado será reutilizado para irrigação da vegetação nativa e também para limpeza de alguns ambientes.

O telhado verde utilizado pelo hospital Orizonti é uma solução importante para as grandes cidades  prevê economia de água acima de 30% e de energia acima de 25%. As estimativas são de eficiência hídrica e energética de 62%, 34%, respectivamente. Em relação ao total de resíduos gerados, a estimativa é que 70% sejam destinados à reciclagem. Iniciativas como essa precisam ser mostradas e incentivadas nas grandes capitais do país.

Segundo a engenheira civil e especialista em construções sustentáveis, Cristiane Lacerda, tecnologias inovadoras podem contribuir para reduzir os danos.

“Existe o desafio de diminuir a impermeabilização nas cidades para melhorar a drenagem urbana. Para isso, é preciso aumentar áreas verdes nos diversos tipos de construções. Para ela, os telhados verdes podem reter grande volume de água, sendo uma opção viável para cidades urbanas e podem funcionar como um apoio para a rede pública.”, relata Lacerda.

Marcelus Oliveira, engenheiro civil e especialista em telhados verdes e jardins verticais foi o responsável pelo projeto do maior telhado verde do Brasil. Ele explica que a vegetação escolhida foi a grama amendoim, nativa do Brasil e adaptada ao telhado verde.

“Foram utilizadas 105 mil mudas de grama amendoim, 23 quilos de sementes e 360 mil litros de substrato. É um sistema leve, que não sobrecarrega o empreendimento”, contou ele.

Como funciona

O sistema capta a precipitação a partir de drenos e o líquido fica armazenado em tanques para ser reaproveitado de diversas formas. Os jardins de chuva ou jardins drenantes são dispositivos para controle da drenagem da água pluvial o que contribui para que a cidade se torne mais resiliente.

De acordo com a Prefeitura de Belo Horizonte, trata-se de áreas vegetadas, implantadas em terreno natural, que tem por finalidade contribuir para a infiltração e retenção do escoamento superficial da água de chuva. Estes jardins, regulamentados por Decreto nº 17.273, devem possuir solo modificado, com camadas de terra vegetal, manta filtrante, brita e areia para aumentar a sua porosidade e, consequentemente, a capacidade de armazenamento de água.

Dessa maneira, a água da chuva se acumula nos jardins e gradualmente é infiltrada no solo. O plantio de vegetação adaptada às condições do jardim, que por uma época fica bastante úmido e em outra seco, também auxilia na remoção dos poluentes vindos do escoamento das águas pluviais através da atividade biológica de plantas e microrganismos presentes no solo.

Fonte: Terra.
Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »