saneamento basico

Governo admite que setor elétrico está em sinal amarelo

Brasília – O setor elétrico brasileiro opera em estado de “sinal amarelo” por conta de uma forte seca que afeta a capacidade de geração de muitas usinas hidrelétricas, admitiu nesta quarta-feira o secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia, Márcio Zimmermann.

O fenômeno meteorológico que comprometeu a incidência das chuvas durante janeiro gerou um déficit hídrico” que reduziu a capacidade das hidrelétricas, responsáveis pela geração de 73% da energia que se consome no país, disse Zimmermann em uma audiência realizada na Câmara dos Deputados.

No entanto, Zimmermann alertou que o risco de “desabastecimento é baixo” pois o país conta com alternativas para manter a provisão em seus níveis normais.

O funcionário explicou que, para garantir o fluxo de energia, o governo teve que ativar em diversas zonas do país geradores térmicos, cuja produção tem um custo maior que será trasladado aos consumidores.

Segundo Zimmermann, os ajustes de tarifas serão aplicados a partir de 2015 de forma gradual e se manterão durante um período de cinco anos.

Para tentar atenuar o impacto desta situação nas empresas geradoras de energia, o secretário indicou que o Tesouro Nacional autorizou a liberação de empréstimos estaduais por cerca de R$ 4 bilhões para “evitar grandes oscilações” nas tarifas.

Durante os últimos meses, por diferentes razões, vastas zonas do Brasil sofreram grandes blecautes que puseram em evidência os problemas de geração elétrica que existem no país.

As autoridades, no entanto, negaram várias vezes que isso possa levar a um racionamento de energia, como o que foi aplicado ao longo de seis meses em 2001, durante o segundo período presidencial do social-democrata Fernando Henrique Cardoso.

A preocupação do governo com o setor energético não é só econômica, mas também política.

Em 2001, o racionamento desgastou profundamente o governo de Cardoso e prejudicou nas eleições do ano seguinte o candidato governista José Serra, derrotado por Luiz Inácio Lula da Silva, do Partido dos Trabalhadores (PT).

Em outubro, o Brasil irá novamente às urnas e, embora ainda não tenha confirmado oficialmente, o PT deve tentar um segundo mandato para presidente Dilma Rousseff, que até hoje lidera todas as enquetes.

Fonte: Exame
Veja mais: http://exame.abril.com.br/brasil/noticias/governo-admite-que-setor-eletrico-esta-em-sinal-amarelo

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »