saneamento basico

Logística reversa de embalagens vazias de defensivos agrícolas: Brasil destina 10 mil toneladas

O Sistema Campo Limpo (logística reversa de embalagens vazias de defensivos agrícolas) destinou corretamente 10.343 toneladas do material durante o primeiro trimestre de 2017.

O número apresenta leve queda de 1,3% em relação ao mesmo período do ano passado.

“Instabilidades climáticas, crescimento no uso de novas variedades de sementes, mais resistentes a pragas e que demandam menor uso de agroquímicos e o aumento do contrabando de defensivos agrícolas, podem contribuir com essa retração no uso e consequentemente na quantidade de embalagens vazias que são devolvidas pelo produtor para o Sistema”, explica João Cesar M. Rando, diretor-presidente do inpEV (Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias).

Entretanto, o índice de eficiência do Sistema Campo Limpo se manteve, com a destinação ambientalmente adequada de 94% das embalagens primárias de agroquímicos comercializadas pela indústria fabricante.

Leia mais: PROJETO PADRONIZA LOCAIS PARA ARMAZENAMENTO DE AGROTÓXICOS

Neste primeiro trimestre, de todos os estados brasileiros, Mato Grosso, Rio Grande do Sul, Paraná, Goiás e São Paulo destinaram corretamente a maior quantidade de embalagens. A região Centro-Oeste contribuiu com 42% do total nacional, ou 4.312 toneladas, sendo que 2.267 toneladas vieram dos produtores mato-grossenses. A segunda região com maior volume percentual destinado é a Sul do país, que encaminhou 24% do material, com uma participação de mais de 1,2 mil toneladas por parte do Rio Grande do Sul.

No Sudeste, foram encaminhadas 2 mil toneladas do material, com maior destinação registrada pelo estado de São Paulo (10,1%). A Bahia ajudou a região Nordeste a contribuir com 12% de todas as embalagens destinadas no país, tendo sido responsável por devolver pouco mais de 873 toneladas. Por fim, os estados do Norte representam 3% das mais de 10 mil toneladas deste período, com 137 toneladas vindas do Tocantins.

Sobre o inpEV

Há 15 anos, o inpEV (Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias) atua como núcleo de inteligência do Sistema Campo Limpo nas atividades de destinação de embalagens vazias de defensivos agrícolas e promove ações de conscientização e educação ambiental sobre o tema, conforme previsto em legislação. É uma instituição sem fins lucrativos formada por mais de 100 empresas e nove entidades representativas da indústria do setor, distribuidores e agricultores.

Leia mais: PARA ONDE VÃO AS EMBALAGENS DOS AGROTÓXICOS?

Sobre o Sistema Campo Limpo

O Sistema Campo Limpo tem como base o princípio das responsabilidades compartilhadas entre todos os elos da cadeia produtiva (agricultores, fabricantes e canais de distribuição, com apoio do poder público) para realizar a logística reversa de embalagens vazias de defensivos agrícolas. O Brasil é referência mundial na destinação ambientalmente correta do material, encaminhando 94% de embalagens plásticas primárias para reciclagem ou incineração. Mais informações sobre o inpEV e o Sistema Campo Limpo estão disponíveis no site www.inpev.org.br, no Facebook, YouTube e Instagram.

Últimas Notícias:
Concessão Saneamento Itaú de Minas

Concessão do saneamento de Itaú de Minas já tem interessadas

Pelo menos duas empresas de saneamento do setor privado manifestaram interesse na concessão do serviço em Itaú de Minas, no Sul do Estado, durante a etapa de consulta pública, concluída em 21 de janeiro deste ano. As empresas são a Cristalina Saneamento e a Orbis Ambiental, que também disputou a licitação do serviço em Alpinópolis, cidade da mesma região e de tamanho similar a Itaú.

Leia mais »
Serviços de Coleta de Lixo

Mais de 90% dos brasileiros contam com serviço de coleta de lixo

Os serviços de coleta de lixo, direta ou indireta, beneficiavam 90,9% dos brasileiros em 2022, segundo dados do Censo 2022 divulgados na sexta-feira (23) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A pesquisa mostra que 82,5% dos moradores têm seus resíduos sólidos coletados diretamente no domicílio por serviços de limpeza.

Leia mais »
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »