saneamento basico
plasticos

Nova Zelândia vai proibir a maioria dos plásticos de uso único até 2025

Os neozelandeses estarão se despedindo de seus plásticos – bolsas, fones de ouvido, colheres e canudos – enquanto o governo tenta combinar a realidade do país com sua reputação de “clean green”.

Imagem Ilustrativa

A Nova Zelândia anunciou que banirá uma faixa de plásticos descartáveis, incluindo cotonetes, sacolas, talheres, pratos e tigelas, canudos e rótulos de frutas.

“Todos os dias, os neozelandeses jogam fora cerca de 159g de lixo plástico por pessoa, tornando-nos alguns dos maiores geradores de lixo do mundo”, disse o ministro do meio ambiente, David Parker.

As proibições, que serão implementadas gradualmente entre 2022 e 2025, “Garantiriam que viveríamos de acordo com nossa reputação limpa e verde”, disse ele. Autoridades estimam que a nova política removerá mais de 2 bilhões de itens de plástico descartáveis ​​dos aterros sanitários e do meio ambiente do país a cada ano.

A Nova Zelândia já proibiu a maioria das sacolas plásticas descartáveis ​​em 2019, mas as mudanças incluirão embalagens para produtos hortifrutigranjeiros, bem como uma série de outros itens. Essas etapas seguem proibições semelhantes no exterior: proibir sacolas plásticas agora é comum em todo o mundo, e o Reino Unido introduziu uma proibição de canudos de plástico, agitadores e cotonetes em 2020. A UE votou por uma proibição semelhante a ser introduzida este ano. Em alguns países, a Covid-19 paralisou o progresso com os plásticos – vários estados dos EUA revogaram suas proibições às sacolas plásticas e suspenderam a nova legislação para limitar os produtos de plástico quando a pandemia atingiu seu auge. Grupos ambientalistas também relataram enormes quantidades de “resíduos Covid” – incluindo luvas de plástico, frascos de desinfetante para as mãos e máscaras cirúrgicas – estão entupindo os oceanos.


LEIA TAMBÉM: Reciclagem de resíduos sólidos é caminho para cidadania e auxílio a catadores


Meio Ambiente

As novas proibições foram passos importantes, mas ainda perderam muitos dos maiores produtores de resíduos plásticos na Nova Zelândia, disse Assoc Prof Terri-Ann Berry, diretor do Centro de Pesquisa de Soluções Ambientais da Unitec. Ela disse que, embora chamar a atenção do público para o lixo doméstico seja vital, “é muito fácil esquecer que alguns de nossos setores mais comerciais também são grandes usuários de plástico”. A construção e a demolição, por exemplo, foram responsáveis ​​por até 50% dos resíduos de aterro sanitário na Nova Zelândia.

O governo da Nova Zelândia também tem xícaras de café e lenços umedecidos em vista, mas Parker disse que é preciso trabalhar para criar alternativas e que o governo anunciará os próximos passos para esses itens no próximo ano. O governo também anunciou um fundo para que as empresas pesquisem alternativas aos plásticos descartáveis.

Fonte: The Guardian.

Traduzido e adaptado por Renata Mafra

[email protected]

Últimas Notícias:
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »