saneamento basico

Análise dos investimentos e custos ambientais de uma indústria de alimentos para animais

[vc_row][vc_column][vc_column_text]

Resumo

Para implementação e manutenção de um sistema de gestão ambiental (SGA) são necessários investimentos relacionados com a adequação dos processos produtivos, com objetivo de minimizar os impactos ambientais e atender a legislação. Ao mesmo tempo, para manutenção deste sistema, incorrem custos que variam conforme o tamanho da empresa, potencial poluidor, estrutura do SGA. Este artigo apresenta uma análise dos investimentos e custos ambientais de uma indústria de alimentos para animais, no período de 2013 a 2015, comparando as etapas de implementação do sistema de gestão ambiental com a sua receita líquida. Como principais resultados, destaca-se que como a empresa está em fase de estruturação do SGA, seus dispêndios com relação aos investimentos e custos ambientais estão aumentando, contudo, a empresa já apresenta ganhos como a redução significativa no custo de transporte de resíduos.[/vc_column_text][vc_column_text]

Introdução

Na Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente, realizada em Estocolmo, no ano de 1972, foi definido o conceito de Desenvolvimento Sustentável: aquele que atende as necessidades atuais da população, sem afetar as necessidades das próximas gerações (PEREIRA, 2012). Neste intuito, são necessárias mudanças no modo de produção e consumo, reavaliação das tecnologias de manufatura, o estilo de vida das populações, bem como as políticas públicas. O Desenvolvimento Sustentável está pautado em cinco pilares: ambiental, social, territorial, econômico e político (ELKINGTON; BURKE, 1987).

Com o passar dos anos, as empresas vêm adequando-se às novas exigências do mercado e das legislações ambientais, implantando ferramentas que auxiliem na redução dos impactos ambientais gerados pela sua atividade operacional. Neste sentido, as empresas contam com apoio do sistema de gestão ambiental, que também propicia condições favoráveis para o gerenciamento de seus investimentos e custos ambientais, imprescindíveis para que o negócio permaneça saudável. Ressalta-se que, os investimentos ambientais, quando bem planejados, podem trazer vários benefícios ao negócio, como evitar despesas com multas, redução de desperdícios, melhora na imagem perante a sociedade e consumidores e até mesmo evitar interdições.

Neste contexto, este trabalho foi desenvolvido por meio de um estudo de caso em uma indústria de alimentos para animais, de grande porte, localizada na região sul do Brasil. A empresa atua há 15 anos no mercado, atendendo, principalmente a região sul, especialmente em estados de São Paulo e Rio de Janeiro, nordeste e está em expansão para demais estados, além de exportação. Implantou o setor ambiental em 2011 e começou a estruturar um sistema de gestão ambiental em 2013, o qual vem se aprimorando constantemente. Sendo assim, o objetivo deste trabalho é evidenciar tanto os investimentos como os custos ambientais desta empresa, desde o início da implantação do sistema de gestão ambiental até o ano de 2015, analisando sua especificidade, em cada uma das etapas de implementação do sistema de gestão ambiental, bem como a sua representatividade em relação à receita líquida.[/vc_column_text][vc_column_text]

Autores: Margane da Silva;  Vanessa Theis e Dusan Schreiber.

[/vc_column_text][vc_btn title=”Baixe aqui” i_icon_fontawesome=”fa fa-download” add_icon=”true” link=”url:%2Fwp-content%2Fuploads%2F2017%2F03%2Fanalise-dos-investimentos-e-custos-ambientais-de-uma-industria-de-alimentos-para-animais.pdf||target:%20_blank|”][/vc_column][/vc_row]

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »