saneamento basico

Estudo do potencial do aproveitamento de água de chuva na demanda de água potável na região sudeste

Resumo

Com o crescimento rápido das cidades o consumo de água e a impermeabilização do solo trouxeram problemas como falta no abastecimento de água potável e inundações. Dentre as soluções estudadas para diminuir o consumo de água potável, cita-se o aproveitamento de água de chuva e de águas servidas, que podem reduzir o consumo de água potável. Em alguns municípios, como São Paulo, começaram a propor leis para a implantação do sistema de captação e uso de água pluvial. O objetivo deste trabalho é o estudo do potencial de aproveitamento de água de chuva como fonte alternativa para o uso da água não potável, com o foco na capital paulista. A partir da determinação da demanda urbana de água das capitais da região sudeste, onde se insere o objeto principal do estudo; e determinando as quantidades de chuvas mensais de cada cidade para o ano de 2015; e com essas determinações, comparou-se com a demanda de água potável de cada uma dessas cidades. Como resultado da comparação da quantidade de água de chuva disponível com a demanda de água potável, constatou-se que o volume de chuva em metade do ano é superior ao volume de água que a cidade necessita, e considerando 30% da demanda total, verificou-se que em apenas dois meses do ano a quantidade de água das chuvas não atende à esta demanda. No estudo os cálculos contemplaram as áreas dos terrenos da cidade como área de captação de água de chuva, sendo que seria necessário considerar as áreas reais de captação dos telhados e áreas afins. O aproveitamento de água de chuva é uma fonte alternativa para a redução do uso de água potável nas cidades, como da cidade de São Paulo, onde a captação e o uso de água de chuva pode reduzir o volume de água tratada para atender a cidade, preservando o manancial.

Introdução

As cidades estão crescendo rapidamente e com isso o aumento do consumo de água e a impermeabilização do solo trazem problemas como falta no abastecimento de água potável e inundações por problemas no sistema de drenagem urbana, Merengo et al, (2015) relatam que o crescimento da demanda de água, ausência de planejamento do gerenciamento do recurso hídrico e de consciência coletiva dos consumidores para o uso racional de água têm contribuído para gerar situações que conduzem à crise hídrica de certas regiões do país.

Algumas soluções para diminuir o consumo de água potável são estudadas para ajudar na crise hídrica, Proença e Ghisi (2009) reportam que medidas como o aproveitamento de água de chuva e de águas servidas podem reduzir o consumo de água potável entre 7% a 38%, percentual equivalente para o consumo onde não há necessidade de água potável (MAY, 2009).

A implantação de sistemas de captação e uso de água pluvial minimizam os problemas hídricos, vários municípios, como São Paulo – SP, começam a propor leis, como a Lei Nº (SÃO PAULO, 2005), para a implantação do sistema de captação e uso de água pluvial. Visto que algumas regiões do Brasil estão se deparando com situações características de crise hídrica, o objetivo deste trabalho é o estudo do potencial de aproveitamento de água de chuva como fonte para a minimização da demanda de água potável, em especifico da capital paulista.

Autores: Andre Kazunori Maebara e Douglas Barreto.

baixe-aqui

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »