saneamento basico

Efeitos da corrosão no desempenho das tubulações de aço galvanizado

Resumo

Este trabalho tem como objetivo avaliar os efeitos da corrosão em tubulações de aço galvanizado, determinando suas causas, principais patologias, tipos de corrosão, que não apresentaram o devido e correto serviço de manutenção e/ou procedimentos corretos de assentamento ou o não cumprimento de exigências de norma na produção do produto. A revisão bibliográfica trata desde os aspectos da manutenção predial até as patologias apresentada pelas tubulações de aço galvanizado. A metodologia teve como princípio levantamentos documentais, patológicos e ensaios em campo, para subsidiar as causas e efeitos da corrosão. As principais patologias encontradas são de corrosão por Tuberculização, ocasionando redução da pressão no sistema.

Introdução

Por muito tempo as tubulações de aço galvanizado foram as predominantes nos sistemas prediais de água fria, apresentam boa resistência mecânica, resistência ao fogo, normalização e longa duração. Entretanto, por apresentar uma série de cuidados adicionais e algumas desvantagens (suscetível à corrosão) em comparação com outros tipos de materiais, as tubulações em aço galvanizado perderam espaço no mercado e entraram em desuso para tubulações como o de PVC (cloreto de polivinila). No entanto, mesmo com sua decrescente utilização, as tubulações antigas permaneceram nas redes antigas e com o passar dos anos, problemas com tais tubulações ainda serão comuns.

O inconveniente mais encontrado são os vazamentos devido à corrosão, que danificam a estrutura, instalações elétricas, móveis em geral. Há também a possibilidade de entupimentos, causando redução da vazão, consequentemente queda na pressão, pode ocorrer ainda a liberação de substâncias nocivas à saúde na água (TAJCHMAN, 1985). O objetivo geral deste trabalho é analisar as causas e efeitos da corrosão eletroquímica em tubulações de aço galvanizado em um sistema hidráulico predial. Analisando a influência no desempenho hidráulico do sistema de distribuição de água em uma da edificação construída na década de 1970 com tubulações de aço galvanizado.

Autores: Saulo Bruno Silveira e Souza; Karla Alcione da Silva Cruvinel; Ricardo Prado Abreu Reis; Giovana Carla Elias Fleury e Bruno Araújo da Silva.

baixe-aqui

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »