saneamento basico
Remoção de Fósforo do Esgoto

Nova tecnologia remove fósforo do esgoto e ajuda algas a combater poluição; entenda

Remoção de Fósforo do Esgoto

Por: Rodrigo Mozelli

O fósforo presente no esgoto contribui para a proliferação de florescências de algas nocivas em corpos d’água.

Prejudicando a vida selvagem, o gado e até mesmo os seres humanos.

Para combater isso, as estações de tratamento de esgoto muitas vezes dependem de técnica intensiva em produtos químicos e energia para remover o fósforo antes que ele possa afetar corpos d’água rio abaixo.

Pesquisadores do National Renewable Energy Laboratory (NREL) desenvolveram nova tecnologia de remoção de fósforo do esgoto, maximizando a capacidade das algas de aproveitar a energia solar para acumular e remover o fósforo da água, armazenando-o dentro da célula como polifosfato.

O sistema Revolving Algal Biofilm (RAB) da Gross-Wen Technologies é tecnologia emergente que permite o cultivo de algas carregadas de fósforo em esgoto, anexadas a correia rotativa. A biomassa algal cultivada pode ser colhida da correia, seca e utilizada como fertilizante agrícola ou como matéria-prima para fabricação de biocombustíveis e bioprodutos, indica o Phys.org.

Remoção de Fósforo do Esgoto

  • Pesquisadores do NREL, Gross-Wen Technologies e do Metropolitan Water Reclamation District of Greater Chicago se uniram para desenvolver ainda mais o sistema RAB, via concessão do Technology Commercialization Fund (TCF) do Departamento de Energia dos EUA;
  • Os pesquisadores examinaram as propriedades únicas de absorção de fósforo nas estirpes de algas que vivem nos sistemas RAB;
  • Eles identificaram sete estirpes de algas que acumulam mais polifosfato do que a população geral de algas no sistema RAB;
  • Essas descobertas podem melhorar o desempenho do sistema RAB, aumentando a eficiência do ciclo do fósforo.

Remoção de Fósforo do Esgoto

Contudo os pesquisadores isolaram quase 770 estirpes de algas de amostras de biofilme coletadas em oito sistemas RAB localizados em Iowa e Illinois. Então, identificaram 101 estirpes únicas que acumulavam mais polifosfato que a estirpe de referência do sistema RAB.

Uma das estirpes isoladas, Chlamydomonas pulvinata, mostrou desempenho forte. Aumentando a taxa de remoção de fósforo do sistema RAB para 70%, o dobro da taxa de sistema RAB não modificado. Além da recuperação de fósforo, essas descobertas podem ter benefícios adicionais para a recuperação e reutilização de outros recursos valiosos perdidos no esgoto.

Em suma a capacidade das algas de absorver metais também pode ser útil na recuperação de metais prejudiciais ou valiosos de processos industriais e esgoto.

Fonte: Olhar Digital.

Últimas Notícias:
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »