saneamento basico

Tanques de pedra: tecnologia social voltada a gestão hídrica

Resumo

A escassez hídrica no semiárido brasileiro tem condicionado árduas realidades para inúmeras famílias locais. Neste sentido, tem-se, atualmente, o uso de tanques de pedra como uma tecnologia para gerir os recursos hídricos através da captação de águas de chuvas precipitadas sobre os afloramentos rochosos. Diante disso, objetivou-se analisar como se dá a gestão hídrica através do uso de tanques de pedra, e quais os benefícios sociais, econômicos e ambientais advindos desta tecnologia. Para tanto, foi realizada uma pesquisa exploratória e qualitativa no Tanque do Araçá, município de Esperança-PB. Após os estudos, observou-se que os tanques de pedra são uma tecnologia simples e que possibilita a captação e armazenamento das águas das chuvas, o que tem contribuído para a promover muitos benefícios: aumentar da oferta de água para atender às necessidades das famílias locais; baixo custo de construção e manutenção; não causa grandes impactos aos recursos naturais; contribui para reduzir a pressão sobre outros mananciais; além de atender as necessidades hídricas, especialmente nos longos período de estiagem. Por fim, concluiu-se que os tanques de pedra são uma tecnologia que pode e deve contribuir para atender as necessidades hídricas das famílias que convivem com a escassez de água no Semiárido brasileiro.

Introdução

No Semiárido Brasileiro (SAB), ocorre periodicamente estiagens com perdas parciais ou totais no setor agropecuário, o qual é praticamente de subsistência. As estiagens comprometem o abastecimento de água e a recarga hídrica, devido principalmente à irregularidade da estação chuvosa na região, com predominância de chuvas intensas e de curta duração (SILVA, et al., 1998, CARVALHO, 2014). Estas estiagens estão diretamente influenciadas pela variabilidade climática, Decadal e Sazonal, que resultam na escassez hídrica dos corpos d´água intermitentes (LIMEIRA, 2014).

Desta forma, a região Semiárida apresenta vulnerabilidade hídrica, e esta reflete no abastecimento hídrico para a população, uma vez que o volume variável de precipitação é sazonal (SILVA et al, 2012; PEREIRA, 2017).

É importante lembrar que mesmo diante de um cenário climático preocupante no tocante à escassez de água, há que ter em mente que inúmeras iniciativas/ações pautadas na gestão dos recursos hídricos têm fomentado a oferta de água para populações que convivem com a escassez periódica de água. Neste sentido, basta lembrar das tecnologias sociais voltadas a captação de águas de chuvas, tais como: cisternas de placas, a calçadão, a de enxurrada, ou ainda, o uso de tanques de pedra. Esta última técnica tem promovida gestão dos recursos hídricos disponíveis a partir da captação, armazenamento e distribuição das águas das chuvas.

Autores: Thais Mara Souza Pereira; Mateus da Silva Santiago; José Adailton Lima Silva e Débora Coelho Moura.

Artigo Completo 

Últimas Notícias:
Concessão Saneamento Itaú de Minas

Concessão do saneamento de Itaú de Minas já tem interessadas

Pelo menos duas empresas de saneamento do setor privado manifestaram interesse na concessão do serviço em Itaú de Minas, no Sul do Estado, durante a etapa de consulta pública, concluída em 21 de janeiro deste ano. As empresas são a Cristalina Saneamento e a Orbis Ambiental, que também disputou a licitação do serviço em Alpinópolis, cidade da mesma região e de tamanho similar a Itaú.

Leia mais »
Serviços de Coleta de Lixo

Mais de 90% dos brasileiros contam com serviço de coleta de lixo

Os serviços de coleta de lixo, direta ou indireta, beneficiavam 90,9% dos brasileiros em 2022, segundo dados do Censo 2022 divulgados na sexta-feira (23) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A pesquisa mostra que 82,5% dos moradores têm seus resíduos sólidos coletados diretamente no domicílio por serviços de limpeza.

Leia mais »
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »