saneamento basico
calor do esgoto

Calor do esgoto pode ajudar a combater as mudanças climáticas

Denver, a capital do Colorado (EUA) planeja olhar para a recuperação do calor do esgoto como um aliado na luta contra as mudanças climáticas.

O Departamento de Energia dos Estados Unidos estimou em 2005 que os americanos desperdiçaram o equivalente a 350 bilhões de quilowatts-hora (kWh) de energia a cada ano com água quente não utilizada – cerca de 3.000 kWh por residência. Para colocar as coisas em perspectiva, as residências americanas (médias) consomem cerca de 11.000 kWh de eletricidade a cada ano.

Ao reunir o excesso de água quente que flui pelas linhas de esgoto e armazená-la em um poço com temperatura controlada, o calor armazenado pode servir como fonte de energia o ano todo.

 

Recuperação de calor de esgoto

A cidade de Denver planeja explorar essas reservas subterrâneas de calor construindo a maior instalação de recuperação de calor de esgoto da América do Norte – aumentando as opções de energia renovável para combater as mudanças climáticas.

Quando pensamos em energia limpa, geralmente pensamos em geradores eólicos ou painéis solares absorvendo a luz do sol. Mas a energia está ao nosso redor – grande parte dela desperdiçada porque não sabemos como capturá-la. O conceito, chamado de “recuperação de calor de esgoto”, está ganhando forças como uma solução de energia verde.

Ao coletar o excesso de água quente que flui pelas linhas de esgoto de chuveiros, lava-louças, etc. e armazená-la em um poço com temperatura controlada, o calor armazenado pode servir como uma fonte de energia durante todo o ano. Então, uma bomba de calor (que funciona como um ar condicionado reverso) pode aproveitar o calor da água residual para criar energia utilizável novamente.

“Com o advento de bombas de calor em grande escala, podemos usar de maneira econômica, digamos, águas residuais de 70 graus para aquecer nossos edifícios e nossos sistemas de água quente”, disse Shanti Pless, engenheiro do Laboratório Nacional de Energia Renovável, ao NPR.

 

O projeto

Embora os sistemas de recuperação de calor já existam há bastante tempo, Denver planeja levá-lo ao próximo nível, construindo o maior projeto de recuperação de calor de esgoto da América do Norte.

Nos próximos anos, um projeto de remodelação de US $ 1 bilhão transformará o National Western Centre em um local de arte e agricultura, aquecido e resfriado pela água do esgoto enterrado nas linhas de esgoto abaixo. Trocadores de calor irão transportar o calor das águas residuais para diferentes partes do campus através de um circuito ambiente, com uma planta central bombeando água para os prédios, relata o Energy News-Record.

“Estamos tomando decisões de longo prazo para este campus sobre como vamos aquecer e resfriar esses prédios, e há muitas maneiras de fazer isso”, disse o CEO Brad Buchanan, e completou: “Embora possa não parecer muito romântico olhar para as linhas de esgoto sanitário, na verdade, há uma tremenda energia térmica nelas.”

 

Os benefícios

O Centro pode economizar muito quando se trata de impacto ambiental. Mesmo se a água residual for limpa após ser processada por uma estação de tratamento de água, a água quente pode impactar os ecossistemas de rios e lagos quando sai das linhas de esgoto.

Mas com a recuperação do calor do esgoto, não só a água quente pode ser convertida de volta em energia utilizável, como também não altera a temperatura dos corpos d’água próximos.

Apesar de suas conotações sujas, a água de esgoto é na verdade uma fonte de energia limpa; ao contrário do carvão ou de outras formas de energia, não libera dióxido de carbono na atmosfera. O National Western Center estima que a iniciativa economizará toneladas de carbono, relata o NPR.

“Será interessante ver se as pessoas começarão a olhar não apenas onde as linhas de metrô ligeiro ou boas escolas estão localizadas, mas qual é a proximidade de uma grande linha de esgoto sanitário”, disse Buchanan. A proximidade de um grande esgoto pode não ter sido atraente antes, mas Buchanan acha que isso poderia mudar e se tornar atraente para a economia de custos de energia.

Fonte: Freethink – Move the world

Tradução e adaptação: Renata Mafra

[email protected]

Últimas Notícias:
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »