saneamento basico
Poluição na Lagoa da Conceição

Casan investirá R$ 230 milhões para obra de estação de tratamento em São José/SC

Imagem Ilustrativa

Após as declarações do prefeito de São José, Orvino Coelho de Ávila, que admitiu a possibilidade de romper o contrato de concessão com a Casan (Companhia Catarinense de Águas e Saneamento), caso a obra da ETE (Estação de Tratamento de Esgoto) Potecas não saia do papel, a empresa se manifestou sobre o assunto.

As atuais lagoas de estabilização serão desativadas e substituídas por uma moderna ETE, que deverá garantir a qualidade do efluente tratado e o controle de odores

Segundo a Casan, a companha tem realizado investimentos na cobertura tanto de água quanto de esgoto e que deverá antecipar as metas do novo marco do saneamento em até quatro anos na cidade de São José.

Ontem, a Câmara de Vereadores recebeu o projeto de lei que trata de doação de área adicional à Casan para construção da ETE Potecas.

Segundo a prefeitura, o projeto prevê a permissão do uso de uma área adicional de 110 mil m² para a obra. Com isso, o Executivo que já havia destinado 75 mil m², disponibiliza uma área total de 185 mil m² para a nova estação.

De acordo com o diretor de Operação e Expansão da Casan, Pedro Joel Horstmann, a companhia tem como foco atender o novo marco do saneamento, que prevê em 2033 está com 99% de cobertura de água e 90% de cobertura de esgoto em São José. “A gente quer cumprir em São José no ano de 2027”, diz.


LEIA TAMBÉM: BB e agência francesa liberam 100 mi de euros para energia renovável

Vazão de esgoto

Horstmann frisou que com a nova estação de tratamento de esgoto em Potecas e outras iniciativas irão dobrar a vazão, que passará de 300 para 600 litros, por segundo, para chegar aos 90% de cobertura do município previsto no marco do saneamento.

O diretor reforçou ainda que a licitação da obra da ETE Potecas está em fase de conclusão, já que houve um questionamento da empresa segunda colocada no certame. O total de investimento é em torno de R$ 250 milhões.

As lagoas de estabilização serão desativadas e substituídas por uma moderna ETE, com tecnologia avançada para garantir a qualidade do efluente tratado e o controle de odores.

A unidade atual tem capacidade de vazão média de 423 litros por segundo. O novo projeto prevê, na primeira etapa, capacidade de tratar uma vazão média de aproximadamente 600 e, na segunda etapa, 800.

O planejamento prevê que o local onde hoje existem as lagoas passe por recuperação ambiental, dando lugar a um parque urbano, com áreas de lazer e prática de esportes.

“A lagoa de estabilização é um processo antigo. Ele é eficiente só que ele precisa de uma área muito grande e que não tenha morador em volta, porque ela causa um certo odor. Quando foi criada na década de 80, não tinha morador em volta. Os moradores vieram depois em torno da estação”, contou Horstmann.

Tratamento terciário

O diretor de operação da Casan informou que o modelo de tratamento na ETE Potecas é o chamado tratamento terciário, que além da remoção da matéria orgânica, remove alguns nutrientes.

“É um processo físico químico que vai eliminar supostos nitrogênios. É um tratamento mais moderno que tem hoje no país e no mundo”, reforçou.

“Quando tiver a nova pronta, a Casan vai secar a lagoa e fazer um Plano de Recuperação Ambiental, tecasaterrar aquela área e devolver para o município”, explicou.

Horstmann lembrou que o espaço onde estão as lagoas de estabilização é maior do que a área que a prefeitura está disponibilizando para Casan instalar a ETE Potecas.

Sobre a informação do prefeito na qual a Casan pediu terreno de 50 mil m² e foi repassada uma área de 75 mil m², a companhia informou que em setembro de 2021, a Casan enviou ofício solicitando 185 mil m² para construção da ETE Potecas, e que nenhum momento solicitou mais área.

Fonte: ND Mais.

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »