saneamento basico
ete-ribeirao-lipa

Recém-inaugurada Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Ribeirão do Lipa em Cuiabá é um investimento da TAE (Tigre Água e Efluentes)

Imagem Ilustrativa

Reconhecida pelo Instituto Trata Brasil como a capital que mais investe em saneamento no país, Cuiabá acaba de inaugurar a Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Ribeirão do Lipa, referência em tecnologia e sustentabilidade.

Unidade atende 70 mil pessoas, em 35 bairros, e foi projetada para tratar 260 litros de esgoto por segundo

Parte do Sistema de Esgotamento Sanitário Ribeirão do Lipa, a ETE é uma iniciativa da TAE (Tigre Água e Efluentes), braço da Tigre, multinacional brasileira líder em soluções para construção civil e cuidado com a água, em parceria com a BIOPROJ, empresa de tecnologia reconhecida pelo mercado de saneamento por implementar soluções inovadoras em ETEs. A unidade atende 70 mil pessoas, em 35 bairros, utiliza um sistema que permite tratar 260 litros de efluentes por segundo e conta com uma estação elevatória, utilizada para bombear o esgoto coletado até a estação de tratamento.

“Projetamos a estação em sistema compacto, de forma que requer menos espaço para suas instalações. A operação é totalmente automatizada, não gera odor, com mecanismos de eficiência energética e entrega elevado desempenho ambiental”, diz Ewerton Garcia, Diretor da Tigre Águas e Efluentes (TAE).

Sobre o Grupo Tigre

Com uma história de 80 anos, a Tigre é uma multinacional brasileira com forte presença internacional, líder em soluções para construção civil e cuidado com a água. A empresa oferece um amplo portfólio de produtos que atende os mercados predial, de infraestrutura, de irrigação e industrial. Presente em cerca de 30 países, conta com 5,5 mil funcionários, 10 plantas no Brasil e 14 no exterior: Argentina (2), Bolívia (2), Chile (2), Colômbia, Equador, Estados Unidos (3), Paraguai, Peru e Uruguai. Além de tubos e conexões, fazem parte do Grupo: Azzo Torneiras ABS, Tigre Ferramentas para Pintura, Tigre-ADS (tubulações de PEAD para saneamento e drenagem), Fabrimar, Tigre Metais (no segmento de metais sanitários) e TAE – Tigre Água e Efluentes (tratamento e reutilização da água).

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »