saneamento basico
Rede de Esgoto Camboriú

Contrato para a implementação de rede de esgoto é assinado em Camboriú/SC

Rede de Esgoto Camboriú

A prefeitura municipal de Camboriú e a empresa Águas de Camboriú, pertencente ao grupo AEGEA, firmaram um termo aditivo ao contrato de concessão, concedendo à empresa a responsabilidade pelas obras de esgotamento sanitário na cidade, representando um investimento significativo de R$ 300 milhões.

A decisão foi oficializada durante uma cerimônia realizada na sexta-feira, dia 15, e tem sido recebida com entusiasmo pela comunidade, que há anos aguardava por melhorias nessa área crucial.

O investimento no sistema de esgotamento sanitário de Camboriú não apenas atende a uma demanda essencial de infraestrutura, mas também promove o desenvolvimento econômico, cultural e sustentável de toda a região.

Segundo os dados mais recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o município registrou um aumento populacional de 65%, tornando-se a 14ª maior cidade do estado.

LEIA TAMBÉM: Composto japonês transforma lodo de esgoto em fertilizante

Rede de Esgoto Camboriú

Com esse crescimento, Camboriú passou a ser o terceiro município mais populoso da Associação dos Municípios da Foz do Rio Itajaí (AMFRI), a 14ª em Santa Catarina e a 55ª na região Sul do país.

“Depois de muita luta, conseguimos alcançar nosso maior objetivo para construir um futuro sustentável. Investir no esgotamento sanitário de Camboriú significa, também, investir no desenvolvimento econômico e sustentável de toda a região. Além disso, o tratamento de esgoto melhora a qualidade de vida e os gastos com saúde pública diminuem, visto que ocorre a queda na incidência do número de pessoas doentes em decorrência da falta de saneamento”, destaca o prefeito, Elcio Rogério Kuhnen.

Fonte: LP.

Últimas Notícias:
Gerenciando Montanhas Lodo

Gerenciando Montanhas de Lodo: O que Pequim Pode Aprender com o Brasil

As lutas do Rio com lodo ilustram graficamente os problemas de água, energia e resíduos interligados que enfrentam as cidades em expansão do mundo, que já possuem mais de metade da humanidade. À medida que essas cidades continuam a crescer, elas gerarão um aumento de 55% na demanda global por água até 2050 e enfatizam a capacidade dos sistemas de gerenciamento de águas residuais.

Leia mais »