saneamento basico

Regulador reconhece problema grave na adesão aos serviços de água e saneamento

A Entidade Reguladora das Águas e Resíduos estima que a nível nacional sejam mais de 750 mil os alojamentos que têm acesso à rede pública de água mas não a utilizam. No saneamento, são mais de 550 mil os casos.

A Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos (ERSAR) diz que continua a haver um problema grave de adesão dos utilizadores aos serviços públicos de água e saneamento. São muitas as habitações que têm água pública à porta, mas não têm ligação à rede. O mesmo acontece com o saneamento.

Para além das questões de saúde, outra implicação é a falta de sustentabilidade económica das entidades gestoras, que enfrentam o encargo com infraestruturas que não têm a utilização para que foram criadas e cujo custo não diminui por isso.

Este é um cenário que está espalhado pelo país, em muitas circunstancias agravadas pelo consumo de água e pela utilização a rede de saneamento com ligações ilegais. É o que se verifica em Viseu, por isso o concelho tem em curso uma campanha de fiscalização para encontrar os utilizadores irregulares.

Naquele município, só nos últimos dois anos foram regularizadas 6533 situações mas “ainda há 3 mil utilizadores clandestinos de água e saneamento”, revela Carlos Tomás, administrador da Águas de Viseu, a empresa municipal que gere estas redes no concelho.

A empresa tem em curso uma ação de fiscalização, que está a percorrer todas as freguesias para encontrar os utilizadores clandestinos, depois de um período de “tréguas, em que as pessoas puderam aderir ao sistema sem coimas”. O presidente do município esclarece que há um regulamento que “tem preocupações sociais” mas, avisa, “não é pelo facto de uma família ser pobre que não deve estar ligada à rede. Até pode utilizar o sistema de forma gratuita mas que esteja legal e a consumir uma água que sabemos que é ambientalmente sustentável”, adianta.

Almeida Henriques revela ainda que os novos utilizadores, registados do sistema público de água e saneamento do concelho, permitiram “realizar investimentos avultados e manter a qualidade da água sem com isso aumentar os preços. Viseu é a segunda capital de distrito do país com a água mais barata”, conclui.

Na última avaliação a Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Saneamentos apurou que as famílias de Viseu são das que menos encargos têm com este serviço. O concelho apresenta também um índice de “água segura” que atinge os 99,03%.

Fonte: TSF
Foto: Amadeu Araújo/TSF

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »