saneamento basico
Cagece Esgotamento Sanitário Beira Mar

Cagece participa de pesquisa do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento

Cagece Sistema Nacional Saneamento

Primeiramente a Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) foi selecionada como empresa piloto para participar da Coleta Experimental para o Sistema Nacional de Informações em Saneamento Básico (Sinisa). O novo sistema, que deve substituir o Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS) em 2024, tem o objetivo de coletar e sistematizar dados relativos às condições da prestação dos serviços públicos de saneamento básico; disponibilizar estatísticas, indicadores e outras informações relevantes para a caracterização da demanda e da oferta de serviços públicos de saneamento básico; além de permitir e facilitar o monitoramento e a avaliação da eficiência e da eficácia da prestação dos serviços de saneamento básico.

A companhia está coletando informações e importando dados diretamente na plataforma disponibilizada pelo Ministério das Cidades.

Ademais entre os principais dados informados estão o cadastro de infraestrutura administrativa e financeiras, gestão técnica de água e esgoto e balanço patrimonial. De acordo com a titular da Gerência de Governança, Riscos e Conformidade da Cagece, Michele Aguiar, a participação na Coleta Experimental vai contribuir para que o Ministério das Cidades identifique os maiores desafios do setor e aprimore o material de apoio para coleta de dados.

“Além disso, conhecer como os dados são obtidos, seja por estimativas, monitoramento regular ou inviabilidade, é crucial para orientar estratégias futuras sobre como obter as informações solicitadas. A percepção sobre as funcionalidades e a facilidade de interação com os formulários do Sinisa também é valiosa para melhorar a experiência de coleta de dados”, acrescenta a gestora.

LEIA TAMBÉM: Brasil precisa investir mais em saneamento básico

Cagece Sistema Nacional Saneamento

Contudo o processo de coleta e análise das informações e geração de indicadores é similar ao executado pelo SNIS. No entanto inclui algumas diferenças:

  • inclusão dos gestores públicos dos titulares dos serviços de saneamento básico no fornecimento de informações,
  • separação do módulo único do SNIS Água e Esgoto em dois módulos distintos,
  • detalhamento dos investimentos em ampliação da capacidade ou reposição de infraestrutura,
  • inclusão das entidades reguladoras no fornecimento de informações,
  • incorporação de formulários sobre infraestrutura nos módulos de abastecimento de água e esgotamento sanitário.

Fonte: Ceará.

Últimas Notícias:
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »