saneamento basico

Agência francesa busca ampliar parcerias no país e oferece crédito aos governadores

Com uma carteira global de € 21 bilhões em empréstimos, a Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD) coloca o Brasil entre suas prioridades e se dispõe a aumentar os desembolsos ao país, abrindo perspectivas de financiamento barato aos 27 governadores de Estado que tomam posse no dia 1º de janeiro.

Atualmente, a agência apoia mais de dez projetos brasileiros, que já somam € 1,4 bilhão em créditos aprovados. “Vemos um enorme potencial para o crescimento das parcerias no Brasil”, afirma o chefe do escritório da AFD no Brasil, Laurent Duriez. De acordo com ele, o desempenho modesto da economia francesa não afetará os desembolsos previstos. “Queremos fazer mais no país e temos capacidade para isso, mas o objetivo é ir além do financiamento em si e transferir expertise aos nossos parceiros.”

Atualmente, a agência francesa pratica duas modalidades distintas de empréstimos no Brasil. Na primeira, financia projetos de governos estaduais e municipais, sempre com garantia da União. Na segunda, com risco próprio, financia empresas estatais e bancos de fomento – como o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG).

O financiamento pode ter até 15 ou 20 anos de prazo, com ou sem risco cambial, e a taxa de juros normalmente não é divulgada. “Mas é certamente mais barato do que o mercado oferece”, afirma Duriez. Projetos em mobilidade urbana, energias renováveis, saneamento básico e resíduos sólidos estão no topo das prioridades da agência francesa. No ano passado, foram aprovados € 8 bilhões em novos compromissos de financiamento, o que dá uma mostra do espaço que ela ainda tem para ampliar as parcerias no país.

No Brasil, entre os maiores créditos liberados, estão um financiamento para a construção da Linha 13-Jade da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), que chegará ao entorno do aeroporto internacional de Guarulhos, e outro para a promoção do desenvolvimento sustentável e da redução de desigualdades em Minas Gerais, com investimentos em acesso à rede elétrica nas áreas rurais e conexão de residências aos sistemas de água e esgoto. O financiamento da AFD soma € 300 milhões em cada um dos projetos.

No fim de novembro, o BNDES obteve empréstimo de € 165 milhões da agência francesa para financiar projetos que tragam impactos positivos ao clima nas áreas de energias renováveis e eficiência energética, de modo a contribuir com a redução de gases-estufa. O contrato tem prazo de 12 anos, com três anos de carência. Foi a primeira operação fechada entre as duas instituições.

Duriez afirma que não se trata apenas de oferecer financiamento relativamente barato, mas estabelecer parcerias duradouras. “Estamos convencidos de que, quando você participa de projetos como esses, estará perto dos parceiros por bons anos. E isso dá oportunidade de um diálogo mais amplo”, diz o executivo. Ele reconhece que muitos projetos sofrem atrasos, mas evita fazer críticas à burocracia local. “Confiamos na estrutura institucional e regulatória que encontramos por aqui.”

A agência tem escritórios em 70 países – a maioria de baixo desenvolvimento. Ela se fixou no Brasil em 2007, mas só começou efetivamente a fazer seus primeiros desembolsos a partir do início desta década. De forma geral, as prioridades da agência são mudanças climáticas, proteção à biodiversidade, combate à pobreza e expansão da infraestrutura do país.

http://www.valor.com.br/brasil/3822398/agencia-francesa-busca-ampliar-parcerias-no-pais-e-oferece-credito-aos-governadores#ixzz3M5TUjLT7

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »