saneamento basico

Embasa: “Não era possível evitar o lançamento de esgoto no mar”

A Embasa informou que não era possível evitar o lançamento de esgoto no mar do Rio Vermelho após a interrupção de energia na Estação de Tratamento de Água do Lucaia causada por um acidente com um ônibus na Avenida Vasco da Gama, na última quinta-feira. Sem energia, não foi possível fazer o tratamento do esgoto e enviá-lo ao emissário submarino do Rio Vermelho.

Com isso, 756 milhões de litros de esgoto foram parar no mar. “Como o lançamento de esgoto na foz do Lucaia foi temporário e não é sistemático, pois Salvador conta com um sistema de esgotamento sanitário que atende cerca de 80% da cidade, cumprindo o que determina a legislação ambiental em relação à disposição oceânica de efluentes, a carga orgânica é digerida pela fauna e flora marinhos, sem risco de degradação ambiental”, explicou a empresa, por meio de sua assessoria.

Ainda segundo a Embasa, os esgotos são constituídos de 99,9% de água e de 0,1% de matéria orgânica e patogênicos (que causam doenças). “A interrupção das bombas da Estação de Tratamento de Água do Lucaia causou um impacto momentâneo às pessoas que frequentam praias próximas à foz do Rio Lucaia. Por isso, a Embasa recomendou que se evitasse o contato com o mar”, disse a empresa.

Sobre como evitar acidentes como esse, a empresa informou que vai estudar formas de garantir o fornecimento de energia nessas situações, revendo seu plano de contingência, “no sentido de avaliar uma melhor proteção da sua linha de transmissão, que tem 3,7 km de comprimento, e avaliar outras alternativas de alimentação”.

Nesta terça-feira (29), está prevista a divulgação do laudo técnico do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema) sobre o derramamento do esgoto no mar do Rio Vermelho. O coordenador de monitoramento do Inema, Eduardo Topázio, informou que, após apuradas as circunstâncias do lançamento de esgoto no mar, os envolvidos na situação podem ser responsabilizados.

Fonte: Correio 24hs
Foto: Marina Silva/CORREIO

Últimas Notícias:
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »