saneamento basico

Aegea vence disputa por subconcessão da Agespisa

Foi realizada na segunda feira (21) a abertura dos envelopes com os valores de outorga das empresas que pleiteiam a subconcessão dos serviços de saneamento básico em Teresina. O momento foi marcado por protestos do Sindicato dos Urbanitários do Piauí (Sindsem) que veem no processo a privatização da Agespisa.

A superintendente de parcerias e concessões do governo do Estado, Viviane Moura, destacou que o resultado final será divulgado no dia 15 de dezembro. Na primeira etapa, as empresas Aegea e Consórcio Poti Ambiental empataram na proposta técnica, obtendo 100 pontos cada uma. A empresa Águas do Brasil obteve 91 pontos.

Já nesta segunda (21), os valores de outorga apresentados foram: R$ 180 milhões da Águas do Brasil, R$ 140 milhões da Aegea e R$ 120 milhões do Consórcio Poti Ambiental.

Viviane explicou que a empresa vencedora assumirá os serviços de fornecimento de água e tratamento de esgoto da capital.

“A Agespisa não deixará de existir e poderá atuar na fiscalização dessa empresa contratada, já que ela terá metas e prazos a cumprir. Hoje, o fornecimento de água na capital chega a quase 90% se levada em conta a rede construída, o que significa que essa água chega aos moradores. Quanto ao tratamento de esgoto, hoje chegamos no máximo a 19%, ainda temos indicadores ruins não só em Teresina, mas em várias capitais do Brasil. A atuação dessa empresa deve contribuir para a população”, declarou Viviane.

O diretor de formação e política do Sindicato dos Urbanitários, Cláudio Fonteneles, disse que o sindicato não acredita nos benefícios da subconcessão. Segundo ele, haverá prejuízos para a população e os servidores da Agespisa. Ele e mais 30 servidores protestavam durante a abertura dos envelopes.

“Toda empresa visa lucros e com essa não será diferente. Além disso, se a empresa vai assumir as funções da Agespisa, como ficará a situação dos trabalhadores? Nós temos muitas alternativas que podem substituir esse ‘processo de privatização’, como por exemplo, pedir a isenção fiscal para a Agespisa junto à União e isso vai permitir que empresa desafogue as dívidas e continue prestando os serviços. É esse o motivo do nosso protesto”, afirmou.

A superintendente comentou que o protesto dos servidores é algo natural, mas disse também que o governador Wellington Dias, por diversas vezes, esteve reunido com a categoria explicando como se dará o processo.

Viviane frisou que o governo escolheu realizar a subconcessão combinando pontuação técnica com valores de outorga para que seja oferecido o melhor preço, junto com a melhor prestação de serviços. A empresa deverá universalizar o sistema de tratamento de esgoto até 2031 e de água até 2019.

O valor total do investimento deverá ser de R$ 1,7 bilhão.

Foto: Wilson Filho/Cidadeverde.com
Fonte: Cidade Verde

Últimas Notícias:
Concessão Saneamento Itaú de Minas

Concessão do saneamento de Itaú de Minas já tem interessadas

Pelo menos duas empresas de saneamento do setor privado manifestaram interesse na concessão do serviço em Itaú de Minas, no Sul do Estado, durante a etapa de consulta pública, concluída em 21 de janeiro deste ano. As empresas são a Cristalina Saneamento e a Orbis Ambiental, que também disputou a licitação do serviço em Alpinópolis, cidade da mesma região e de tamanho similar a Itaú.

Leia mais »
Serviços de Coleta de Lixo

Mais de 90% dos brasileiros contam com serviço de coleta de lixo

Os serviços de coleta de lixo, direta ou indireta, beneficiavam 90,9% dos brasileiros em 2022, segundo dados do Censo 2022 divulgados na sexta-feira (23) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A pesquisa mostra que 82,5% dos moradores têm seus resíduos sólidos coletados diretamente no domicílio por serviços de limpeza.

Leia mais »
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »