saneamento basico
obras

Ministério e BNDES discutem financiamentos à obras de saneamento básico após sanção do Marco Legal

Também nesta terça-feira (28), ministro Rogério Marinho apresentou oportunidades no setor a investidores estrangeiros

O ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, recebeu o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Gustavo Montezano, para discutir o andamento de projetos de saneamento básico financiados pelo Governo Federal. A reunião, nesta terça-feira (28), também teve o objetivo de analisar potenciais iniciativas que podem ser implementadas com a concessão de serviços após a aprovação do novo Marco Legal do setor.

A meta do Governo com a nova legislação é, até 2033, garantir que 99% da população brasileira tenha acesso à água potável e 90% ao tratamento e à coleta de esgoto. Rogério Marinho afirmou que um primeiro decreto, para a formulação do Conselho Interministerial, já foi publicado e há a previsão de mais dois para regulamentar as concessões: um para o apoio técnico e financeiro à realização dos consórcios regionais e outro sobre a viabilidade econômica e financeira para as empresas.

O ministro ressaltou que deseja o apoio da estatal em uma consulta à sociedade e às empresas para captar informações que ajudem no processo de levar saneamento a todo o País. “Com a experiência do BNDES, como operadores das concessões, vocês podem nos ajudar com sugestões para balizar os decretos e os projetos que estão por vir”, observou o ministro.

LEIA TAMBÉM: DOURADOS/MS RECEBERÁ INVESTIMENTOS PARA AMPLIAÇÃO DO ESGOTAMENTO SANITÁRIO

Investimentos

Gustavo Montezano, presidente do banco, avaliou positivamente o encontro para convergir a atuação dos órgãos federais.

“É bom que possamos repetir reuniões como essa a cada dois, três meses, para avaliarmos os projetos que temos apoiado e outras iniciativas em fase de negociação, justamente para que sigamos o mesmo caminho”, disse o gestor.

Ainda nesta terça-feira, o ministro Rogério Marinho apresentou a investidores internacionais diretrizes do Governo Federal no setor de saneamento, durante o ‘Invest in Brasil Infrastructure’. O webinar promovido pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) abordou iniciativas voltadas à infraestrutura no País.

Carteira de Obras e Projetos

Desde janeiro, mais de R$ 330 milhões do Orçamento Geral da União (OGU) foram repassados pelo MDR para garantir a continuidade de empreendimentos de saneamento básico pelo País. Outros R$ 389 milhões foram assegurados para financiamentos por meio do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

Atualmente, a carteira de obras e projetos da Pasta no setor – contratos ativos e empreendimentos em execução ou ainda não iniciados – é de R$ 21,5 bilhões para financiamentos e de R$ 20,2 bilhões para o Orçamento Geral da União.

Fonte: MDR.

Últimas Notícias:
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »