saneamento basico

Aliança pela Água cria site para população denunciar desabastecimento

“A medida tem ocorrido de forma muito desigual, afetando sobretudo as regiões mais pobres. Mesmo os horários que a Sabesp informou anteriormente não têm sido respeitados”, afirmou Marússia Whately, coordenadora da Aliança.

As denúncias realizadas no site Sala de Crise vão compor um relatório semanal, a partir do qual a Aliança vai questionar a Sabesp e o governo de Geraldo Alckmin (PSDB) sobre a falta de água e cobrar medidas para equalizar a situação. Em breve, a Aliança pretende lançar um aplicativo para celular com o mesmo objetivo. “Nos próximos seis meses, a perspectiva é de que a falta de água só deve se agravar. Essa ação visa a contrapor a narrativa de que está tudo bem”, disse Marússia.

A redução de pressão é a principal ação da Sabesp para reduzir o gasto de água. Oficialmente, consiste na utilização de redutores nos encanamentos e em diminuir o bombeamento, de forma que não se perca muita água nos vazamentos – que consomem até 30% de toda a água tratada pela estatal. No entanto, muitos bairros chegam a ficar dias inteiros desabastecidos e não somente com a pressão diminuída. A companhia já anunciou que está intensificando a medida.

A ativista demonstrou descrença em relação ao plano de contingência que Alckmin prometeu apresentar até o fim deste mês. Segundo Marússia, a minuta apresentada às entidades na segunda reunião do Comitê de Crise não é clara quanto às ações que serão realizadas de acordo com a evolução da crise. São dois documentos: um da Defesa Civil, que trata até mesmo da ocupação das dependências da Sabesp pelo Exército brasileiro, e outro da Secretaria Estadual de Saneamento e Recursos Hídricos, que trata das questões técnicas e cenários de crise.

“O plano não apresenta gatilhos. O que será feito em relação ao nível de água que os reservatórios forem atingindo? São três cenários demonstrados, mas não diz o que acontece se o Sistema Cantareira chegar a 10% do volume total, por exemplo. Ou como vão ser atendidas as escolas, os hospitais”, explicou Marússia.

Hoje, o Cantareira está com 19,9% da capacidade, considerando duas cotas do volume morto. No dia 19 de junho do ano passado, o sistema tinha 22,6% da capacidade, com uso de apenas uma cota do volume morto. No início deste período seco, o conjunto das represas estavam com nível 30% abaixo do que continham em 2014.

Marússia avalia que o segundo semestre deste ano será muito complicado. Não só pela queda no volume dos reservatórios com o período de seca – entre maio e outubro –, mas também pela determinação da Agência Nacional de Águas (ANA) e do Departamento de Água e Energia Elétrica (DAEE) de redução da retirada de água para um máximo de 9 metros cúbicos por segundo (m³/s) no Cantareira a partir de agosto. Antes da crise, o volume de retirada era de 33m³/s, para atender a 8,8 milhões de pessoas.

“Todo o indicativo é de chuvas abaixo da média. E a maior parte das obras não vai ficar pronta agora. Também não sabemos qual será o impacto de usar dois anos seguidos a água do volume morto. A realidade é que não temos clareza do que vai acontecer. Por isso, a Aliança cobra maior transparência e um planejamento para a crise em conjunto com a sociedade e as organizações. Não vai ser um único ator que vai resolver”, defendeu Marússia.

Para atender à população afetada pela redução no Cantareira, a Sabesp está realizando a transposição entre os sistemas Rio Grande (represa Billings) e Taiaçupeba, no Sistema Alto Tietê. A obra vai transferir 4 m³/s de água entre os reservatórios. Assim, a companhia pretende retirar mais água do Alto Tietê – que também sofre muito com a seca – levando água retirada da represa Billings, que já tem transferido água para suprir também o aumento da demanda da represa Guarapiranga.

“Só fazer obra não vai resolver. Está trocando uma água por outra de reservatórios em crise. Até agora não vimos nenhum movimento que signifique uma mudança na forma de gerir a água. A estiagem foi o estopim da crise. O fundo das represas aparecendo expôs uma crise de gestão”, afirmou Marússia.

 

Fonte: Vermelho

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »