saneamento basico
ast-ambiente

A AST Ambiente possui soluções para o tratamento do chorume

A AST Ambiente instala no Rio de Janeiro a maior planta para tratamento de chorume por meio de Osmose Reversa (OR) do Ocidente, com capacidade para processar 1 mil m3 por dia

A AST Ambiente, empresa especializada em tratamento e purificação de águas e efluentes líquidos, está finalizando os testes para a entrada em operação do maior sistema de tratamento de chorume por Osmose Reversa (OR) do Ocidente. Com capacidade total para processar 1 mil metros cúbicos (m3) por dia, a planta está instalada no aterro sanitário CTR Seropédica, na cidade do Rio de Janeiro (RJ), que é operado pela Ciclus Ambiental, concessionária que atende à capital fluminense e boa parte de sua região metropolitana.

O diretor executivo da AST Ambiente Brasil, Walter Plácido, informa que o sistema conta com duas unidades independentes e modulares, cada uma com capacidade para tratar 500 m3 de chorume em 24 horas de operação. A planta foi instalada em 4 contêineres marítimos de 45 pés com V.G. contra corrosão e possui elevado nível de automação. Além disso, conta com recursos como mobilidade e pode ser operada remotamente.

De acordo com Plácido o chorume tratado será transformado em água de reuso e a qualidade atinge os parâmetros estabelecidos pela legislação ambiental, podendo ser utilizada até em atividades industriais, pois ela é ultrapura, desmineralizada. equivalente a água destilada. A presidente da Ciclus Ambiental, Adriana Felipetto informa que o empreendimento recebe diariamente 10 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSUs) e que além de camadas de isolamento e sensores, o complexo conta com dutos que drenam o chorume para posterior tratamento.

“A implantação do sistema de tratamento por Osmose Reversa é mais um passo da empresa em direção à excelência ambiental”, afirma. Ela complementa que a tecnologia utilizada para transformar o chorume em água de reuso tem sua eficiência comprovada e que o investimento representa mais um esforço da Ciclus.

Tecnologia de osmose reversa

Para garantir a gestão ambientalmente adequada dos RSUs:

 “Estamos transformando um passivo em um ativo para a sociedade.”

Plácido conta que além do Rio de Janeiro, a AST Ambiente conta com mais de dez plantas para tratamento de chorume por meio da tecnologia de Osmose Reversa em operação no Brasil, nos estados de Alagoas, Minas Gerais, Paraná, Pará e Pernambuco.

“Acreditamos que o mercado de tratamento de chorume está em fase de amadurecimento e expansão no Brasil, não só pelo fato de que os órgãos de controle ambiental estão cada dia mais atentos a essa problemática, como também pelas exigências de uma sociedade cada dia mais atenta às questões relacionados com o meio ambiente e pelo fato dos operadores de aterros sanitários estarem conscientes que soluções milagrosas não existem, que a experiência e o rigor tecnológico devem ser observados e levados em consideração”.

Últimas Notícias:
Concessão Saneamento Itaú de Minas

Concessão do saneamento de Itaú de Minas já tem interessadas

Pelo menos duas empresas de saneamento do setor privado manifestaram interesse na concessão do serviço em Itaú de Minas, no Sul do Estado, durante a etapa de consulta pública, concluída em 21 de janeiro deste ano. As empresas são a Cristalina Saneamento e a Orbis Ambiental, que também disputou a licitação do serviço em Alpinópolis, cidade da mesma região e de tamanho similar a Itaú.

Leia mais »
Serviços de Coleta de Lixo

Mais de 90% dos brasileiros contam com serviço de coleta de lixo

Os serviços de coleta de lixo, direta ou indireta, beneficiavam 90,9% dos brasileiros em 2022, segundo dados do Censo 2022 divulgados na sexta-feira (23) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A pesquisa mostra que 82,5% dos moradores têm seus resíduos sólidos coletados diretamente no domicílio por serviços de limpeza.

Leia mais »
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »