saneamento basico

Brasilândia inicia elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico

Recentemente criado para participar na elaboração do Plano de Saneamento Básico de Brasilândia, o Comitê de Coordenação e o Comitê Executivo se reuniram na tarde da última quinta-feira (20), para iniciar o processo de elaboração do documento que visa definir a Política Pública de Saneamento Básico do Município.

Na ocasião, foi apresentada a empresa WF Ambiental, a qual ficará responsável em elaborar o Plano Municipal de Saneamento Básico, contratada pelo Consórcio de Desenvolvimento do Vale do Ivinhema (Codevale). Na visita da empresa ao município, os representantes conheceram os membros dos dois comitês.

Segundo o Secretário Municipal de Desenvolvimento Econômico, João Luiz Almeida Rosa, o Comitê Executivo deverá passar as informações referentes ao município para esta empresa.

Além de Brasilândia, a WF prestará o mesmo tipo de serviço em mais cinco municípios da região do Vale do Ivinhema, na qual realizará o mesmo processo para implantação do Plano Municipal de Saneamento Básico.

João explicou qual será a função dos membros que está fazendo parte do processo de planejamento. “O Comitê Executivo ficará responsável pelo recolhimento de informações e repassará à empresa para processá-las na elaboração do Plano. O Comitê de Coordenação analisará os documentos e verificará se há necessidade de inserir ou retirar informações”.

Após esta etapa, o secretário informou que Brasilândia terá audiências públicas para recolher informações e sugestões por parte da população. A última etapa, é o encaminhamento do Plano Municipal de Saneamento Básico, por meio de projeto de lei para Câmara de Vereadores, na qual passará por votação entre os parlamentares.

Comitê
Os membros para composição do Comitê de Coordenação e do Comitê Executivo foram nomeados pelo decreto 3727/14. Para o Comitê de Coordenação foram nomeados: Waldemar Firmino de Campos, João Luiz Almeida Rosa, Eduardo Nogueira, Oziel Soares, Jorge Henrique Olivi de Paula e Carlos Alberto dos Santos Dutra.

Já os membros do Comitê Executivo são: Adriel Amador Melchior de Almeida, Laís Caroline Costa, Donizeth Rodrigues, Wagner Foli e Juliano Queiroz de Oliveira.

Fonte: Agora MS
Veja mais: http://www.agorams.com.br/jornal/2014/02/brasilandia-inicia-elaboracao-do-plano-municipal-de-saneamento-basico/

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »