saneamento basico
saneamento

Cobertura de esgotamento sobe de 19% para 35,65% em Teresina/PI

Imagem Ilustrativa

Em três anos, Teresina evoluiu sua cobertura de esgoto de 19% para 35,65%.

Hoje, 291.828 teresinenses, têm acesso ao serviço de esgotamento e contam com melhores condições sanitárias.  O índice de cobertura já foi homologado pela Agência Municipal de Regulação de Serviços Públicos de Teresina (Arsete).

A ampliação da cobertura de esgotamento sanitário traz impactos positivos no desenvolvimento da cidade, com ganhos socioeconômicos e qualidade de vida. Os benefícios compreendem ainda a preservação dos corpos hídricos e do meio ambiente, além do desenvolvimento de setores importantes da economia, como turismo e valorização imobiliária.

Neste ano, bairros como Tancredo Neves, Monte Castelo e Nova Brasília, estão recendo obras de esgotamento sanitário. No Tancredo Neves, está sendo construída uma Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) e redes coletoras que irão atender a cerca de 1.200 famílias na região. Nos bairros Nova Brasília, zona Norte e Monte Castelo, zona Sul, as equipes da Águas de Teresina têm atuado na ampliação do serviço para atender mais moradores.


LEIA TAMBÉM: REDE DE ESGOTO DE PIRACICABA/SP: 36% DAS OBSTRUÇÕES SÃO CAUSADAS POR ACÚMULO DE GORDURA


Investimentos

Todas as obras estão alinhadas ao cronograma do Plano de Investimento em Esgoto que foi apresentado à cidade em 2018, que traz diretrizes para projetos, obras e investimentos para que, ao longo dos próximos anos, toda a área urbana da capital tenha acesso ao serviço de esgotamento sanitário.

“Nosso grande foco é seguir cumprindo com nossas metas e intensificar as ações de esgotamento sanitário, contribuindo para vidas mais saudáveis e dignas. O acesso a esse serviço é fundamental para termos uma cidade com qualidade de vida e mais valorizada nos aspectos econômico, social, imobiliário e turístico, garantindo o mais importante: saúde”, diz Cleyson Jacomini, diretor-presidente da Águas de Teresina.

A meta contratual prevê a ampliação da rede de esgoto de forma gradativa, chegando a 90% até 2033. Todos os prazos estão alinhados ao que prevê o novo marco regulatório do saneamento básico.

Fonte: Cidade Verde.


ÚLTIMAS NOTÍCIAS: OBRAS DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO TEM INÍCIO NO EDUCANDOS/AM

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »