saneamento basico

Déficit do sistema Cantareira cresce 71,5% em maio

Depois de dois meses consecutivos de queda, o déficit de água do Sistema Cantareira subiu 71,5% em maio, segundo levantamento feito pelo jornal O Estado de S. Paulo com base nos boletins diários do comitê anticrise que monitora o manancial. Até ontem, a diferença entre o volume de água que chegou às quatro principais represas do sistema e a quantidade retirada delas para abastecer a Grande São Paulo e a região de Campinas estava deficitária em 17,75 mil litros por segundo, o que levaria a uma perda de aproximadamente 46 bilhões de litros no mês.

Os dados mostram que, apesar da redução de 28% do volume de água retirado do sistema pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) desde fevereiro, quando a crise foi anunciada pela empresa, o início do período tradicional de estiagem agravou a situação do Cantareira. Conforme o Estado antecipou, maio deve ser o mês mais seco da história do manancial, com uma vazão afluente de apenas 6,2 mil litros por segundo, ou 18% da média histórica do mesmo período.

Para se ter uma ideia, antes da crise, a Sabesp retirava dos Reservatórios Jaguari-Jacareí, em Joanópolis, Cachoeira, em Atibaia, e Atibainha, em Nazaré Paulista, cerca de 30 mil litros por segundo. Agora, a captação está em 20,95 mil litros por segundo. Outros 3 mil litros são liberados para as cidades da região de Campinas. Daí o déficit de 17,75 mil litros por segundo medido neste mês, que só não é maior do que o de fevereiro, quando o saldo negativo ficou em 24,16 mil litros por segundo, ou 56 bilhões de litros.

Em março, o déficit foi reduzido significativamente, para 10,5 mil litros, e, em abril, para 10,35 mil litros por segundo. De acordo com a Sabesp, o resultado foi fruto de uma série de medidas implementadas pela companhia, como o remanejamento de água dos sistemas Alto Tietê e Guarapiranga para bairros da capital atendidos pelo Cantareira. Só isso responde por 47% da diminuição do volume retirado do manancial. Já 28% foi obtido com a redução do consumo pela população, e 25% com “gestão operacional”, como a redução da pressão na rede à noite, considerada racionamento noturno por alguns especialistas. A Sabesp nega.

Segundo a concessionária, essa redução equivale a um rodízio de 36 horas com água e 72 horas sem água que foi evitado. Mas março e abril registraram uma vazão afluente aos reservatórios duas vezes maior do que a observada até agora em maio.

Nesta sexta-feira o manancial estava com 25,7% da capacidade, segundo a Sabesp, já com o acréscimo dos 182,5 bilhões de litros da reserva profunda. O índice é um ponto porcentual menor do que no dia em que o volume represado abaixo do nível das comportas começou a ser captado. Já para o comitê liderado pela Agência Nacional de Águas (ANA), o índice atual é de 21,7%. A diferença ocorre porque o comitê liderado pela ANA considera que os 182,5 bilhões de litros adicionais também elevam a capacidade máxima do sistema, e a Sabesp, não. Na prática, o volume de água restante nas represas é o mesmo: 252,3 bilhões de litros. Segundo a Sabesp, a quantidade é suficiente para garantir o abastecimento até o “início das próximas chuvas”, que normalmente ocorrem em outubro.

Fonte e Agradecimentos: Diário do Litoral
Veja Mais: http://www.diariodolitoral.com.br/conteudo/34913-deficit-do-sistema-cantareira-cresce-715-em-maio

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »