saneamento basico

Fitch Atribui Rating à Proposta de 2ª Emissão de Debêntures da Prolagos

A Fitch Ratings atribuiu, o Rating Nacional de Longo Prazo ‘AA-(bra)’ (AA menos (bra)) à proposta da segunda emissão de debêntures da Prolagos S.A. – Concessionária de Serviços Públicos de Água e Esgoto (Prolagos), no montante de até BRL100 milhões e com vencimento final cinco anos após a emissão. As debêntures têm garantia flutuante de recebíveis e penhor das ações, e os recursos da emissão serão utilizados para o refinanciamento da primeira emissão de debêntures, para suportar investimentos e para a distribuição de dividendos. A lista completa dos ratings da Prolagos encontra-se ao final deste comunicado. Principais Fundamentos dos Ratings: O rating da Prolagos e de suas debêntures reflete o crescimento das atividades da companhia em bases consistentes, bem como a manutenção de forte perfil financeiro e geração de EBITDA em linha com as expectativas da Fitch. A empresa demonstra capacidade de preservar uma estrutura de capital conservadora, mesmo diante da ampliação dos serviços prestados e da consequente demanda por maiores investimentos. A Prolagos continua reportando elevadas margens operacionais, adequadas para as empresas privadas mais maduras da indústria. A companhia também se beneficia do baixo risco de suas operações no setor de saneamento básico, que se caracteriza por limitada competição e reduzida volatilidade de demanda. A classificação reflete, ainda, o adequado perfil de amortização da dívida e a conservadora estratégia financeira consolidada do grupo Aegea, ao qual a Prolagos pertence. A Fitch considera que a estratégia de crescimento do grupo na prestação de serviços de água e esgoto, dentro de uma robusta estrutura de capital, permite potenciais ganhos de sinergia e poderá favorecer a companhia. A agência espera que, em bases consolidadas, o grupo Aegea administre o crescimento de suas operações com uma alavancagem líquida consolidada abaixo de 3,0 vezes, assim como na Prolagos. A avaliação da empresa incorpora sua exposição a um ambiente regulatório ainda pouco robusto e sujeito a interferências políticas, principalmente em períodos de reajustes tarifários. A Fitch considera que esses riscos são parcialmente mitigados pelo positivo histórico de aumentos de tarifa dos últimos anos, que foram capazes de preservar o equilíbrio econômico-financeiro do contrato de concessão. Elevadas Margens Operacionais: O perfil de crédito da Prolagos deverá continuar se beneficiando da ampliação de seus serviços e de elevadas margens operacionais. No período de 12 meses encerrado em 30 de junho de 2014, a receita líquida, de BRL159 milhões, expurgada a receita de construção, apresentou satisfatório crescimento frente aos BRL151 milhões reportados em 2013 e aos BRL131 milhões em 2012, favorecida, principalmente, por reajustes e revisões de tarifa e pelo maior volume de água faturado. A companhia tem administrado seus custos de forma eficiente, e a margem de EBITDA permanece elevada e pouco volátil. No período de 12 meses encerrado em 30 de junho de 2014, o EBITDA foi de BRL79 milhões e a margem de EBITDA ficou em 49%, pouco abaixo da faixa de 51%-52% apurada de 2009 a 2012, em decorrência de maiores despesas com serviços de terceiros. Maior Saldo de Caixa na Holding Beneficia Liquidez: A Prolagos se beneficia da estratégia de concentrar saldos de caixa mais robustos na holding Aegea Saneamento e Participações S.A. (Rating Nacional de Longo Prazo ‘A+(bra)’ (A mais (bra)), Perspectiva Estável), o que, em bases consolidadas, proporciona maior flexibilidade financeira às atividades do grupo e mitiga as posições de liquidez mais fracas apresentadas pela companhia em um passado recente. Ao final de junho de 2014, o saldo de caixa e aplicações financeiras era satisfatório e equivalente a BRL29 milhões, ou 1,1 vez a dívida de curto prazo de BRL26 milhões, sendo a dívida total de BRL171 milhões. O risco de liquidez também é atenuado pelo significativo fluxo de caixa das operações (CFFO) frente à dívida de curto prazo nos últimos anos. A análise contemplou, ainda, o fato de o cronograma de amortização da dívida da Prolagos ser administrável e de que a empresa não deverá ter dificuldade para rolar parte de suas obrigações nos próximos anos, caso necessário, apesar de a totalidade de seus recebíveis estar comprometida com dívidas existentes. Fluxo de Caixa Pressionado Por Investimentos e Dividendos: A Fitch acredita que o fluxo de caixa livre (FCF) da Prolagos continuará pressionado pelos investimentos programados e pela maximização de dividendos distribuídos, permanecendo negativo até 2016. O CFFO da Prolagos no período de 12 meses encerrado em 30 de junho de 2014, de BRL41 milhões, ficou ligeiramente abaixo dos anos anteriores e permaneceu insuficiente para cobrir os investimentos, de BRL48 milhões, e o pagamento de BRL1 milhão em dividendos, o que acarretou um FCF negativo em BRL8 milhões. Os adequados reajustes e revisões contratuais de tarifa, bem como a expectativa de incremento nos volumes faturados de água, deverão continuar impulsionando a geração operacional de caixa da companhia e atenuar as pressões no FCF. Sólidos Indicadores Financeiros: O perfil financeiro da Prolagos é forte e apresenta reduzida alavancagem financeira. A expectativa da Fitch é de que a companhia continue reportando índice dívida líquida/EBITDA abaixo de 3,0 vezes, mesmo com emissões adicionais planejadas para suportar os investimentos e a distribuição de dividendos dos próximos anos. A alavancagem financeira bruta da empresa, medida pelo índice dívida total/EBITDA, foi de 2,2 vezes no período de 12 meses encerrado em 30 de junho de 2014, com 2,0 vezes ao final de 2013 e 2012. Considerando o caixa e as aplicações financeiras, a relação dívida líquida/EBITDA foi de 1,8 vez, 1,8 vez e 1,9 vez nos respectivos períodos. Limitada Competição e Perspectiva Positiva Para o Crescimento das Operações: Em termos operacionais, a Prolagos se beneficia de uma posição quase monopolista em sua área de atuação. A empresa tem reduzido os gargalos operacionais e mitigado os efeitos de picos de demanda em determinados períodos, uma vez que sua área de concessão tem forte caráter turístico, embora não haja grandes variações na demanda anual total. A antecipação dos investimentos, as melhoras nos índices de atendimento populacional e a perspectiva de crescimento da área de operação da empresa devem suportar o aumento das atividades da Prolagos. A companhia tem como risco operacional a elevada dependência de seu praticamente único sistema produtor de água, denominado Juturnaíba, além do ainda alto índice de perdas, que atingiu 36% na média do período de 12 meses encerrado em junho de 2014. Este indicador demonstra leve melhora frente aos 37% registrados no período de 12 meses encerrado em junho de 2013 e aos 40% reportados em 2012. Risco Político Inerente ao Negócio: A operação da Prolagos em cinco municípios da Região dos Lagos, no Estado do Rio de Janeiro, se apoia em um contrato de concessão, o que dá mais segurança à empresa. Apesar da diversificação de poderes concedentes, não existem garantias de que não haverá influência negativa de quaisquer prefeituras no desempenho operacional e financeiro da companhia. A existência de uma agência reguladora é importante e dá maior respaldo regulatório ao contrato. O histórico positivo de cumprimento do contrato de concessão nos últimos anos atenua o risco político. Sensibilidade dos Ratings: Os ratings da Prolagos podem ser negativamente afetados, caso haja significativa redução de sua margem de EBITDA para patamares próximos a 40%, assim como aumento relevante da alavancagem financeira líquida para acima de 3,0 vezes, em bases sustentáveis. Uma deterioração do perfil financeiro do grupo Aegea também poderá pressionar as classificações. Por outro lado, os ratings podem se beneficiar do fortalecimento do perfil de negócios da Aegea, bem como da obtenção de um perfil financeiro consolidado mais robusto do grupo e da Prolagos, com alavancagem líquida ajustada mais próxima a 1,5 vez, além de menor pressão por dividendos. A Fitch classifica a Prolagos com os seguintes ratings: – Rating Nacional de Longo Prazo ‘AA-(bra)’ (AA menos (bra)); – 1ª emissão de debêntures, no valor de BRL75 milhões, com vencimento em outubro de 2017, Rating Nacional de Longo Prazo ‘AA-(bra)’ (AA menos (bra)). A Perspectiva do rating corporativo é Estável.
Últimas Notícias:
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »