saneamento basico

ONU lança campanha para acabar com resíduos de plástico nos oceanos

O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) lançou nesta quarta-feira uma campanha mundial para eliminar as principais fontes de lixo no oceano em 2022, entre as quais o plástico predomina.

A ONU pediu aos governos que desenvolvam políticas para a redução do plástico e pediu que os consumidores abandonem o hábito de usar produtos feitos com o material antes que os oceanos sejam irreversivelmente prejudicados.

Cerca de 90% de todo o lixo jogado nos oceanos é composto por plástico. Por isso, a ONU pediu à indústria que minimize a produção de embalagens com o material.

A cada ano são lançados mais de 8 milhões de toneladas de plástico nos oceanos, o equivalente a jogar um caminhão de lixo cheio do material no mar a cada minuto, segundo a Pnuma.

Se o ritmo for mantido, em 2050, haverá mais plástico do que peixes nos oceanos e 99% das aves marinhas terá ingerido o material.

Os danos aos ecossistemas marítimos já são de pelo menos US$ 8 bilhões, já que eles não só causam estragos na flora e na fauna marinha, mas também à pesca e ao turismo.

“Chegou o momento de abordar o problema do plástico que danifica nossos oceanos. A poluição por esse material navega nas praias da Indonésia, se instala no fundo do oceano no Polo Norte e chega até as nossas mesas através da cadeia alimentar”, alertou o diretor-executivo do Pnuma, Erik Solheim, em comunicado.

Entre os países que apoiam a campanha da ONU estão o Uruguai, que já se comprometeu a taxar as sacolas de um único uso no fim do ano, e a Costa Rica, que tomará medidas para diminuir o uso do plástico mediante uma melhor gestão de resíduos e a educação.

A Dell, gigante da tecnologia, também se uniu à campanha e se comprometeu a reciclar o plástico retirado dos oceanos para utilizá-lo na embalagem de seus produtos.

Outra fonte de lixo marinho são os microplásticos utilizados em produtos cosméticos. Cerca de 51 trilhões de partículas sujam nossos mares e ameaçam gravemente a flora e fauna marinhas, diz a ONU.

A organização espera poder anunciar avanços na luta contra o plástico na Conferência dos Oceanos, que será realizada em junho, em Nova York, e durante a Assembleia para o Meio Ambiente, prevista para dezembro, em Nairóbi.

Fonte: Terra

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »