saneamento basico

População de SP teve que racionar água pelo menos três vezes nos últimos 15 anos

Nos últimos 20 anos, a população do Estado de São Paulo passou por pelo menos três racionamentos nos sistemas Guarapiranga e Alto Cotia, que atendem as regiões sul e oeste da capital e os municípios de Embu, Embu-Guaçu, Itapecerica da Serra, Cotia e Vargem Grande Paulista.

O reservatório mais atingido pelos racionamentos foi o Alto Cotia, que teve o uso da água limitado em junho de 2000, em abril de 2001 e em outubro de 2003, de acordo com o portal do Governo do Estado de São Paulo.

Já o Guarapiranga teve racionamento apenas em 2000. Por três meses, mais de 3 milhões de paulistanos tiveram fornecimento limitado de água. Naquele ano, as casas eram abastecidas por dois dias e, no terceiro, ficavam sem água.

Em abril do ano seguinte, mais de 300 mil moradores da Grande São Paulo abastecidos pelo Alto Cotia passaram por um novo racionamento, provocado pela falta de chuvas e pelo esvaziamento do volume de água das represas da Graça e Pedro Beicht, que formam o sistema. O esquema definido pela Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) na época previa fornecimento de água durante 40 horas e interrupção por 32 horas.

Em outubro de 2003, mais uma medida de racionamento precisou ser aplicada ao Alto Cotia, que operava com o menor índice de armazenamento (25,8%) desde sua criação, em 1916.

As cidades atingidas foram divididas em dois grupos, que se revezavam no recebimento de água. Eram 36 horas de abastecimento e o mesmo período sem.

O Sistema Cantareira, que abastece quase 9 milhões de pessoas na capital e na região metropolitana, já estava em estado de atenção naquele ano, por funcionar com menos de 30% de seu potencial. Para se ter uma ideia, esse sistema opera hoje com apenas 14,3% de sua capacidade de armazenagem — o menor índice da história. A Sabesp, porém, não fala em racionamento nesse reservatório.

Em 31 de dezembro do ano passado, o Cantareira já operava com menos de 30% de sua capacidade (27,3%), o que já era motivo para a Sabesp “ter soado o alarme”, avalia o ex-deputado estadual Nivaldo Santana e funcionário licenciado da companhia.

No fim do ano passado, a situação do Cantareira já estava crítica, mas o governo e a Sabesp não adotaram o racionamento. Chegamos a um patamar em que a demanda superou a oferta e é preciso equilibrar o consumo com a demanda.

Santana, que por nove anos presidiu o Sintaema (Sindicato dos Trabalhadores em Água, Esgoto e Meio Ambiente do Estado de São Paulo), acrescenta que a Sabesp só está fazendo campanha de redução da água agora, “quando a situação está na UTI (Unidade de Terapia Intensiva)”.

A empresa estendeu, até dezembro, o desconto na conta para quem economizar água. Até o fechamento desta reportagem, a Sabesp não se posicionou sobre os racionamentos.

Fonte: R7
Veja mais: http://noticias.r7.com/sao-paulo/populacao-de-sp-teve-que-racionar-agua-pelo-menos-tres-vezes-nos-ultimos-15-anos-26032014

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »