saneamento basico

BNDES investiu R$ 6,7 bilhões em projetos de geração de energia através do bagaço da cana

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) foi um dos principais financiadores de projetos de cogeração de energia usando o bagaço da cana. Mas os desembolsos minguaram nos últimos anos,à medida que as usinas entraram em crise.
Entre 2008 e 2013, o banco financiou cerca de R$ 6,7 bilhões em projetos de cogeração. No ano passado, o banco desembolsou R$ 200 milhões para projetos de usinas que já estavam em andamento. O banco chegou a desembolsar quase dez vez mais durante o auge dos investimentos do setor.

Segundo Artur Yabe Milanez, gerente do Departamento de Biocombustível do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), os projetos de cogeração foram crescendo a reboque do movimento de expansão das usinas, que teve seu auge entre 2003 e 2007, estimulados pela frota de carros flex no País.

A expectativa é de que o potencial dos investimentos das usinas em co-geração atinja cerca de R$ 1,4 bilhão até 2018, com base nos 11 projetos apresentados no leilão de energia A-5 no ano passado. Deste total, se for realmente efetivado, o BNDES poderá financiar até metade desse valor.

O Grupo São Martinho, que está entre os cinco maiores do País, é considerada exceção nesse cenário desanimador, ao inaugurar no ano passado um projeto de cogeração em sua unidade instalada em São Paulo. O preço médio na safra 2013/14 dos preços contratados em leilão ficou entre R$ 230 e R$ 250. No mercado livre, o preço está em cerca de R$ 820.

Segundo Fábio Venturelli, CEO do grupo, as usinas do setor só investem em projetos de cogeração quando ele se paga. “Ninguém investe no escuro.

Segundo Zilmar José de Souza, consultor de bioeletricidade da União da Indústria da Cana-de-açúcar (Unica), o setor conta com 200 usinas que poderiam passar por reforma e se tornarem exportadoras de energia para o sistema elétrico.

Para isso, os preços-tetos praticados nos leilões de 2014 precisam ser melhores que os do último A-5, realizado no dia 13 de dezembro, que foi de R$ 144 por MWh.

Fonte: Aporte News
Veja mais: http://www.aportenews.com.br/bndes-investiu-r-67-bilhoes-em-projetos-de-geracao-de-energia-atraves-bagaco-da-cana/

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »