saneamento basico

Garantias são o problema da infraestrutura, diz presidente da Odebrecht

O problema no setor de infraestrutura brasileiro não está no financiamento das obras, mas nas garantias das mesmas devido ao risco político e de construção, de acordo com Marcelo Odebrecht, presidente da Odebrecht. “Os bancos não aceitam o risco da contrapartida pública que vem de parcerias público-privadas (PPPs)”, avaliou ele, em debate promovido pelo BID e pela prefeitura de São Paulo, nesta terça-feira.

Outro ponto que merece atenção no setor de infraestrutura, segundo o executivo, está relacionado à formação de mão-de-obra. Ele disse que não há mão-de-obra no País capacitada para fazer frente aos projetos previstos. Nos últimos anos, conforme o executivo, a Odebrecht gastou mais de R$ 50 milhões formando pessoas que não trabalham no setor de infraestrutura e que seis meses antes de iniciar um novo projeto a empresa inicia um trabalho de formação de mão-de-obra.

“Nos países da América Latina, o índice de desemprego no setor de construção está em 5%, 7%. No Brasil, beira a zero. Se começarem todos os projetos previstos, que são bem vindos, temos de pensar seriamente na formação de mão de obra”, disse o presidente da Odebrecht. “Há pessoas trabalhando em obra pela primeira vez. Precisamos pensar seriamente em educação e formação de mão de obra se quisermos fazer frente ao déficit de infraestrutura no Brasil”, concluiu.

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »