saneamento basico

E o vento levou… o calor para o fundo do mar

Uma equipe australiana parece ter desvendado um dos fenômenos climáticos mais misteriosos da última década: a aparente pausa no aquecimento da Terra. Ventos extraordinariamente fortes na faixa do Equador parecem estar transferindo o excesso de calor da atmosfera para as profundezas do Oceano Pacífico. O fenômeno pode explicar o hiato no ritmo de aquecimento da superfície nos últimos anos. É o que descreve o pesquisador australiano Matthew England, da Universidade New South Wales, que liderou o estudo. Sua equipe traçou o ciclo desse tipo de vento. Segundo England, quando esses ventos enfraquecerem ou até se inverterem, o oceano vai transferir de volta para a atmosfera o excesso de calor acumulado, e as médias de temperatura que percebemos subirão rapidamente.

O novo estudo ajuda a explicar como o aquecimento global aparentente deu um tempo na superfície da Terra nos últimos 10 anos. As médias anuais de temperatura do planeta parecem ter se estabilizado. (Apesar desse verão brasileiro nos convencer do contrário.) Alguns críticos aproveitaram para dizer que as mudanças climáticas eram um mito e que o aquecimento tinha acabado.
Já os climatologistas que vêm estudando a pausa no aquecimento dão outras explicações para o fenômeno. A principal suspeita é que o excesso de calor está sendo acumulado pelos oceanos. Um sinal disso são as pesquisas que mostram como as temperaturas no fundo do mar vêm subindo mesmo no período em que a atmosfera não esquentou. A atmosfera é uma parte pequena do clima da Terra. A quantidade de calor armazenada pelos oceanos é um dos mais importantes indicadores das tendências climáticas globais. Isso porque o mar fica com 90% do calor que chega ao planeta. A atmosfera guarda apenas 2%. O calor acumulado nos oceanos responde por quase toda a energia adicional que a Terra vem guardando.

Os cientistas suspeitavam que o oceano estava tirando o excesso de calor da atmosfera, mas o mecanismo para explicar esse processo não estava claro até agora. O estudo de England, publicado na revista científica Nature Climate Change, mostra que a aceleração dramática dos ventos intensificou a circulação do Oceano Pacífico. Mais calor é retirado da atmosfera e transferido para uma camada do mar sob a superfície, enquanto água mais fria vem à tona.

O mapa abaixo mostra a direção dos ventos que jogam o calor no oceano.

Mapa dos ventos que sopram o calor para o Pacífico (Foto: Divulgação)

Essa transferência de calor da atmosfera para o oceano não é permanente“, disse England a ÉPOCA. “Quando os ventos voltarem ao normal – e isso ocorrerá inevitavelmente – nossa pesquisa sugere que a atmosfera vá aquecer rapidamente.” Segundo ele, com a normalização dos ventos, as médias de temperatura na superfície da Terra retomarão a linha ascendente prevista pelos modelos anteriores das mudanças climáticas.

Esses ventos do Pacífico ocorrem em ciclos ao longo dos anos. Eles chamam Oscilação Decadal do Pacífico. Essa fase com ventos soprando para o oceano já dura 13 anos aproximadamente. A Oscilação está ligada à alternância dos fenômenos El Niño e La Niña, que se alternam a cada 7 anos aproximadamente. Nos anos de La Niña, a superfície do mar na faixa equatorial do Pacífico fica mais fria do que o normal. Isso tende a produzir anos com temperaturas mais baixas no planeta todo. Já nos anos de El Niño, a superfície do mar fica mais quente, e isso eleva as médias de temperatura do planeta todo. Durante as fases de Oscilação negativa, como a que vem ocorrendo de 2000 até agora, acontecem mais anos de La Niña do que de El Niño. Daí a temperatura média da atmosfera não ter subido nesse período.

Os ciclos do passado sugerem que a fase atual da Oscilação possa persistir por mais 10 anos. “Mas as emissões de gases responsáveis pelo efeito estufa vão provavelmente superar o efeito resfriador dos ventos antes disso”, disse England.

O gráfico abaixo mostra a relação entre as fases positiva e negativa da Oscilação e as médias de temperatura da atmosfera da Terra. Os períodos em que os ventos sopram o calor das Américas para o Pacífico estão marcados como -IPO em azul. As fases inversas, de ventos do Pacífico para as Américas, estão assinalados como +IPO em vermelho. As barras cinza mostram as médias de temperatura anuais. A linha preta acompanha a evolução das temperaturas. É possível observar que nos momentos de Oscilação positiva (com ventos do oceano para as Américas) a temperatura da Terra sobe. Nas fases negativas, ela deixa de subir, mas também não cai.

Como as fases de ventos que sopram de ou para o oceano influenciam as temperaturas no planeta (Foto: Divulgação)

Fonte: Blog do Planeta
Veja mais: http://epoca.globo.com/colunas-e-blogs/blog-do-planeta/noticia/2014/02/e-o-vento-levou-o-calor-para-o-fundo-do-mar.html

Últimas Notícias:
Membrana de nanofiltração

Avaliação de uma membrana de nanofiltração para a remoção de antibióticos da água: um estudo de caso com Sulfametoxazol, Norfloxacina e Tetraciclina

Nesse contexto, o presente estudo avalia a nanofiltração, uma tecnologia de membranas filtrantes, na remoção de três antibióticos largamente consumidos (Tetraciclina, Norfloxacina e Sulfametoxazol) da água. Foi empregada a membrana NF270 (DOW – FilmTec), uma membrana de poliamida com massa molecular de corte de 400 Da que foi avaliada em termos de produtividade e capacidade de remoção dos antibióticos.

Leia mais »