saneamento basico

Nova Iorque vai usar restos de alimentos para aquecer residências

Os restos de alimentos e outros resíduos orgânicos encontrados no lixo todos os dias em Nova Iorque vão se transformar numa alternativa sustentável para driblar o frio intenso na cidade. Isso porque, depois de serem coletados, os resíduos serão incorporados a um sistema de geração de biogás, planejado para fornecer energia aos aquecedores de residências e edifícios.

O projeto que transforma os alimentos desperdiçados em fonte de energia foi desenvolvido pelas autoridades públicas de Nova Iorque, e faz parte de um conjunto de estratégias que pretende reduzir em 30% as emissões de carbono da cidade até 2017. Depois de coletados, os resíduos serão encaminhados a uma estação de tratamento, para serem misturados com o esgoto, formando um biogás rico em metano. A partir daí, a central vai processar a mistura, até transformá-la em gás natural de alta qualidade.

Em entrevista ao jornal norte-americano Daily News, o representante de higiene de Nova Iorque, John Doherty, declarou que o aproveitamento dos resíduos para o enfrentamento dos dias frios é uma importante maneira de preocupação com o desenvolvimento sustentável. “Até agora, estávamos limitados a aterrar os alimentos desperdiçados. Ao investirmos num projeto como esse, vamos ajudar a proteger o meio ambiente para as gerações futuras”, disse Doherty.

Nos primeiros meses de operação, as sobras de alimentos serão recolhidas apenas nas escolas, e serão enviadas à estação de tratamento Newton Creek, construída no bairro do Brooklyn. Após o período experimental, mais de 100 mil residências passarão a fornecer os resíduos para a geração de biogás. Segundo especialistas, a iniciativa vai gerar uma redução anual nas emissões de carbono equivalente a retirar 19 mil automóveis das ruas.

Fonte: CicloVivo
Veja mais: http://ciclovivo.com.br/noticia/restos-de-alimentos-serao-usados-para-aquecer-residencias-em-nova-iorque

Últimas Notícias:
Membrana de nanofiltração

Avaliação de uma membrana de nanofiltração para a remoção de antibióticos da água: um estudo de caso com Sulfametoxazol, Norfloxacina e Tetraciclina

Nesse contexto, o presente estudo avalia a nanofiltração, uma tecnologia de membranas filtrantes, na remoção de três antibióticos largamente consumidos (Tetraciclina, Norfloxacina e Sulfametoxazol) da água. Foi empregada a membrana NF270 (DOW – FilmTec), uma membrana de poliamida com massa molecular de corte de 400 Da que foi avaliada em termos de produtividade e capacidade de remoção dos antibióticos.

Leia mais »