saneamento basico

Saneamento básico precisa de choque de eficiência

Poucos temas são tão abordados em programas de governo quanto a necessidade de avanços no saneamento básico. Mas também poucos apresentam resultados tão frustrantes quanto este setor. Reportagem do GLOBO revela que 25% das obras neste segmento estão paradas, apesar das carências. E não se culpe exclusivamente a crise fiscal por isso. Mesmo no ciclo de abundância irresponsável de dinheiro público, patrocinado na gestão Dilma Rousseff, o quadro não era muito diferente.

Pesquisa feita pelo Instituto Trata Brasil em torno de 340 obras em grandes centros, incluídas nos PAC 1 e 2, constatou que apenas 36% haviam sido concluídas e — mais grave — só 39% se encontravam em andamento. Isso no final de 2015, quando havia R$ 22 bilhões de recursos federais destinados aos projetos.

A falta de dinheiro não explica a imensa lentidão desses projetos. A burocracia e também a falta de coordenação entre governos e empresas têm sua culpa. Falta, então, um choque de eficiência na atividade É um quadro que se arrasta através dos tempos.

O Plano Nacional de Saneamento Básico (Plansab), criado em 2013, estabeleceu a meta da universalização do abastecimento de água para 2033, quando 93% do esgoto recolhido deverão ser tratados. Com todos os PACs e discursos, nada indica que os objetivos serão alcançados. Segundo informações de 2014, 83% dos domicílios eram atendidos pela rede de fornecimento de água tratada, não muito mais que os 81% de 2007.

Quer dizer, passaram-se sete anos e tudo continuou praticamente na mesma. Naquele mesmo ano, apenas 40% do esgoto recolhido eram tratados, quando, em 2007, o índice foi de 34%.

Dois índices vergonhosos, se considerarmos que o Brasil é uma das dez maiores economias do planeta. Como essas proporções são médias nacionais, claro que por região elas são piores nas áreas mais pobres, menos desenvolvidas, no Norte e no Nordeste.

Diante de tudo isso, a concessão a empresas privadas para atuar neste ramo é algo imperioso. No Rio de Janeiro, há exemplos positivos como o de Niterói, em que os indicadores na distribuição de água e tratamento de esgoto subiram bastante, tanto que a cidade é bem situada nos rankings nacionais.

Mesmo assim, por resistência corporativa e interesses políticos menores, o governo fluminense rejeita a proposta do BNDES de uma modelagem de licitação no Rio, pela qual a Cedae continuará estatal, fornecendo água a concessionários privados, e sendo remunerada por este serviço.

É racional, uma chance de melhorar o mau atendimento que a empresa dá à população do Grande Rio, mas a resistência à proposta não é do universo da lógica cartesiana.

Fonte: O Globo

Últimas Notícias:
Concessão Saneamento Itaú de Minas

Concessão do saneamento de Itaú de Minas já tem interessadas

Pelo menos duas empresas de saneamento do setor privado manifestaram interesse na concessão do serviço em Itaú de Minas, no Sul do Estado, durante a etapa de consulta pública, concluída em 21 de janeiro deste ano. As empresas são a Cristalina Saneamento e a Orbis Ambiental, que também disputou a licitação do serviço em Alpinópolis, cidade da mesma região e de tamanho similar a Itaú.

Leia mais »
Serviços de Coleta de Lixo

Mais de 90% dos brasileiros contam com serviço de coleta de lixo

Os serviços de coleta de lixo, direta ou indireta, beneficiavam 90,9% dos brasileiros em 2022, segundo dados do Censo 2022 divulgados na sexta-feira (23) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A pesquisa mostra que 82,5% dos moradores têm seus resíduos sólidos coletados diretamente no domicílio por serviços de limpeza.

Leia mais »
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »