saneamento basico

Freixo defende política de moradia com tratamento de esgoto associado à educação ambiental

Num sobrevoo de mais de duas horas, na manhã deste sábado, pela Lagoa de Jacarepaguá e as Baías de Guanabara e de Sepetiba, o candidato do PSOL Marcelo Freixo pôde ter a noção dos problemas que o futuro prefeito do Rio terá de enfrentar. O uso do solo desordenado, em decorrência do crescimento desenfreado de habitações, e a falta de saneamento básico fazem parte do cenário visto de cima, principalmente na favela Rio das Pedras, área de domínio das milícias. Segundo Freixo, é fundamental uma política de moradia com tratamento de esgoto associado à educação ambiental.

— A cidade que se chama Rio, na verdade, é um rio de esgoto. A Baía de Guanabara está totalmente comprometida. Você olha para o lado de Grumari, onde não há ocupação desordenada, mas há uma degradação ambiental severa. É democrático. No Canal Das Tachas, por exemplo, tanto a comunidade do Terreirão como os condomínios de luxo estão poluindo igualmente — disse Freixo.

O convite para sobrevoar a região partiu do biólogo Mário Moscatelli da ONG Olho Verde, que há mais de 20 anos monitora a degradação do meio ambiente na região. Moscatelli chamou os dois candidatos à prefeitura do Rio para o passeio, mas Marcelo Crivella (PRB) disse que estava com a agenda apertada, segundo o biólogo.

— A falta de investimentos faz a situação piorar sistematicamente. É preciso uma unidade de tratamento de rios, que dê tempo para o sistema lagunar se recuperar, acompanhado da melhoria do saneamento básico. Fica clara a necessidade de planejamento, o que não existe hoje. Tem que casar essa ação política do saneamento básico com a construção de moradias. Sem isso, você não vai saber para onde a cidade cresce. Além disso, a cada R$ 1 investido em saneamento básico, economiza-se R $ 4 em saúde pública — explicou o candidato, ressaltando que são medidas previstas em seu plano de governo.

Embora a questão ambiental seja de âmbito estadual, a ordenação do uso do solo é atribuição do município.

— Não dá para deixar a questão ambiental de fora da discussão política dessas eleições. O desordenamento do solo é gritante. As favelas de Rio das Pedras, da Muzema, do Morro do Banco, na região de Jacarepaguá; e Babilônia, no Leme, crescem a cada dia. Mas a degradação não está restrita às áreas pobres. A gente vê esgoto sendo lançado nas praias da Barra, cuja origem é de galerias de águas pluviais que ficam atrás de grandes shoppings do bairro — explicou Moscatelli.

Para o biólogo, caso medidas urgentes de ordenamento urbano não sejam tomadas, as próximas chuvas poderão proporcionar “um caos de proporções bíblicas”.

— Todos se dizem preocupados com essas questões, mas nada é feito. Não tem como drenar a água das chuvas. Para piorar, a população não ajuda e continua a jogar sofá nos rios. O sistema de drenagem está entupido. Jacarepaguá vai virar uma Praça da Bandeira em proporções maiores — disse Moscatelli.

Fonte: Extra

Últimas Notícias:
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »