saneamento basico

Hauly destaca necessidade de investimentos em saneamento durante Comissão Geral

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, afirmou há pouco que o foco da Campanha da Fraternidade de 2016 sobre saneamento básico reafirma a responsabilidade de todos os cidadãos pelo bem comum. “Precisamos pensar com urgência questões sobre coleta do lixo e esgoto questões que se agudizaram com doenças como dengue e zika”, disse, em mensagem lida pelo deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR), um dos autores do pedido para a comissão geral que acontece neste momento.
A campanha é uma iniciativa anual da Igreja Católica para refletir sobre um tema social para gerar mudanças em atitudes individuais e políticas públicas.

O objetivo do debate, solicitado pelos deputados Hauly, Antonio Imbassahy (PSDB-BA) e Domingos Sávio (PSDB-MG), é resgatar a necessidade de os poderes públicos investirem em saneamento.

Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), somente 51% da população do território nacional têm saneamento básico.

Desleixo

“Nossa situação é de desleixo e de irresponsabilidade. Acho que deveríamos acionar também o Ministério Público com essa cobrança. Se o Congresso não radicalizar essa cobrança, a iniciativa vai ficar circunscrita às igrejas”, disse Hauly.

A questão principal levantada pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) é cuidar do saneamento básico. “Se houver um mutirão daremos resposta zerando todos os lixões do Brasil. No momento que o Brasil enfrenta uma epidemia de zika e aumento de casos de microcefalia, a campanha da fraternidade se mostra atual”, afirmou Hauly.

A Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei 12.305/10) previa para agosto de 2014 o fim dos lixões. Vários projetos buscaram postergar essa data. Há um projeto na Câmara, já aprovado no Senado, para ampliar o prazo.

Pelo projeto, capitais e municípios de região metropolitana terão até 31 de julho de 2018 para acabar com os lixões. Os municípios de fronteira e os que contam com mais de 100 mil habitantes, com base no Censo de 2010, terão um ano a mais para implementar os aterros sanitários. As cidades que têm entre 50 e 100 mil habitantes terão prazo até 31 de julho de 2020. Já o prazo para os municípios com menos de 50 mil habitantes será até 31 de julho de 2021.

Fonte: Agência Câmara
Foto: Divulgação

Últimas Notícias:

#Comprometimento e Responsabilidade Técnica

Desde o início da criação da Comissão CE.010:105.007 – Comissão de Estudos de Produtos Químicos para Saneamento Básico, Água e Esgoto da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), em março de 2004, atuo como profissional voluntário e imparcial em prol da sociedade brasileira. Esta Comissão faz parte do CB-10, Comitê Brasileiro de Química da ABNT.

Leia mais »
Cagece Rede Esgoto Chuvas

Cagece orienta sobre cuidados com a rede de esgoto durante período chuvoso

Com o início quadra chuvosa em todo o Ceará, os cuidados com as redes de esgoto e de drenagem precisam ser redobrados, e para evitar obstruções, extravasamentos e alagamentos, a Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) orienta que a população faça o uso correto dos dois sistemas. Dentre as principais orientações: não destinar água de chuva e lixo para a rede de esgoto da Cagece.

Leia mais »
Concessão Saneamento Itaú de Minas

Concessão do saneamento de Itaú de Minas já tem interessadas

Pelo menos duas empresas de saneamento do setor privado manifestaram interesse na concessão do serviço em Itaú de Minas, no Sul do Estado, durante a etapa de consulta pública, concluída em 21 de janeiro deste ano. As empresas são a Cristalina Saneamento e a Orbis Ambiental, que também disputou a licitação do serviço em Alpinópolis, cidade da mesma região e de tamanho similar a Itaú.

Leia mais »