saneamento basico

Por dano ambiental, Justiça barra obra de captação de água para Grande SP

A Justiça de São Paulo concedeu decisão liminar que determina a suspensão do licenciamento para as obras no rio Itapanhaú, na região de Bertioga (a 103 km de São Paulo).

A obra de reversão do rio é apontada por autoridades como o presidente da Sabesp, Jerson Kelman, e o secretário de Saneamento e Recursos Hídricos do Estado, Benedito Braga, como fundamental para evitar nova crise de abastecimento de água como a vivida pelo Estado entre 2014 e 2016.

No entanto, a região é de proteção ambiental, no Parque Estadual da Serra do Mar, e seriam desmatados 15 hectares (150 mil m²) para a conclusão do projeto, com custo estimado de R$ 160 milhões.

A concessão da Justiça acata pedido do Ministério Público do Estado e cancela as autorizações de desmatamento e licenças ambientais concedidas para a área, além de proibir que a Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo), vinculada à Secretaria do Meio Ambiente, emita novas autorizações ligadas ao empreendimento. A Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado), por sua vez, fica impedida de dar continuidade à obra, que abasteceria os reservatórios do sistema do Alto Tietê.

Necessidade da obra é questionável

A promotora Almachia Zwarg Acerbi questionou a ausência de estudos que comprovem a indispensabilidade do empreendimento. “A necessidade dessa obra é totalmente questionável e os danos para a cidade de Bertioga não foram avaliados”, escreveu a promotora. Segundo a Promotoria, outras medidas previstas tornariam a captação do Itapanhaú desnecessária.

“Tal empreendimento causará impactos negativos seríssimos (…) em áreas ambientalmente frágeis, afirma Acerbi.

A Sabesp informou que ainda não foi notificada oficialmente e que adotará as medidas cabíveis assim que tomar conhecimento da decisão. “A companhia lembra que a captação trará água de excelente qualidade, disponível próximo à capital paulista, para garantir a segurança hídrica de 22 milhões de pessoas”, diz, em nota. A Cetesb não foi encontrada até a publicação deste texto.

Fonte: Folha de S. Paulo

Últimas Notícias:
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »