saneamento basico

Brasil tem drones, mas não tem produção

Um mercado em plena expansão em economias mais desenvolvidas no exterior, a venda de veículos aéreos não tripulados – os famosos drones – está se intensificando no Brasil, à margem da falta de regulamentação e de uma indústria local para estes produtos.

Segundo destaca matéria da Estadão, o que antes eram produtos mais de nicho e restritos a entusiastas do aeromodelismo agora estão atraindo o publico em geral, com modelos mais baratos, eficientes e com câmeras acopladas.

Lojas na região da rua Santa Ifigênia, em São Paulo, vendem as aeronaves por preços que vão R$ 2 mil a R$ 6,5 mil. A maioria destes produtos são de marcas internacionais como DJI, 3D Robotics e Parrot. A assistência técnica para drones também é uma grande fonte de renda nestas lojas.

No exterior, por exemplo, é possível comprar drones na faixa de US$ 800 dólares. Profissionais de áreas como monitoramento e captação de imagens já usam aparelhos desses em suas operações.
Entretanto, ainda falta uma legislação definitiva para fiscalizar o uso destes aparelhos e as frequências de controle onde eles devem operar. Segundo especialistas, quando regulamentado, o uso de drones pode deflagrar outros usos para a tecnologia, como entregas.
Pesquisa de 2013 da Associação Internacional de Sistemas de Veículos Não Tripulados calcula que o uso de drones nos diversos setores da indústria pode gerar um impacto positivo de quase US$ 14 bilhões em três anos.

Se na parte do comércio, o mercado de drones se aquece, quanto à produção a situação é mais complicada. A falta de regulamentação e dificuldade na obtenção de matéria-prima diminui a competitividade das fabricantes brasileiras.

Segundo Ulf Bogdawa, diretor da portoalgrense Skydrones, não há condições de chegar ao mercado com preço competitivo, disputando com marcas como a chinesa DJI, que fabrica o popluar Phantom e Parrot, que faz o AR Drone.

Sem chances de concorrer no mercado para o consumidor, a atuação das empresas nacionais se restringem a contratos corporativos, em segmentos como agricultura, construção e defesa.

“Somos fabricantes com endereço e não conseguimos vender. Enquanto isso, tem centenas de drones entrando ilegalmente no País e muita gente comprando. Se o drone cair na cabeça de alguém, a Anac vai reclamar com quem?. A falta de legislação só atrapalha a indústria nacional”, reclamou Bogdawa ao jornal paulista.

Segundo a Anac, uma proposta para rever a legislação de drones se encontra em fase de finalização de análise jurídica. Depois disso, o texto segue para audiência pública e deve ainda voltar para aprovação final. A previsão é de que o processo seja concluído até o fim do ano.

Fonte: Baguete

Leia mais:http://www.baguete.com.br/noticias/18/07/2014/brasil-tem-drones-mas-nao-tem-producao

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »