saneamento basico

Maior torre do mundo em estudos do clima começa a receber equipamentos no AM

O Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) informou que a maior torre de estudos climáticos do mundo, o Observatório de Torre Alta da Amazônia (Atto, na sigla em inglês) começou, neste mês, a receber os equipamentos que servirão para monitorar os dados sobre a interação do clima da floresta amazônica e a atmosfera. Segundo o Inpa, a Atto é maior também que a torre Eiffel, Paris.

Com 325 metros de altura, a torre está localizada na Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Uatumã, a 150 quilômetros em linha reta de Manaus, no município de São Sebastião do Uatumã.

Instalada em uma área livre de qualquer tipo de poluição (ambiente pristino), a torre vai monitorar o clima na região amazônica, por um período de 20 a 30 anos, a partir da coleta de dados sobre os processos de troca e transporte de gases entre a floresta e a atmosfera. A Amazônia é um dos ecossistemas mais sensíveis do planeta, que desempenha papel importante na estabilização do clima.

De acordo com o gerente operacional da Torre Atto, o técnico Leonardo Ramos, a previsão é que até dezembro todos os equipamentos estejam instalados nos três containers que servirão de laboratórios para que a torre possa começar a operar efetivamente, no início de 2017.

Construída com tecnologia nacional, os equipamentos a serem instalados são de última geração, como o de telemetria para transferência de dados, os anemômetros sônicos de alta tecnologia, os analisadores de gás que servirão para analisar os vapores de água no ar e o dióxido de carbono (CO2), além dos sensores de radiação solar, entre outros equipamentos meteorológicos.

“Equipamentos como os analisadores são sensíveis, alguns deles não podem ficar expostos à floresta, porque é úmida e esta umidade é uma grande inimiga dos equipamentos eletrônicos, por isso, precisam ficar protegidos em containeres na base da torre e em condições de temperatura e umidade controladas”, explica Ramos.

O complexo da Torre Atto é composto por mais duas torres de 80 metros cada (que funcionam desde 2012), de onde são feitas as medições de aerossóis, gases atmosféricos e os parâmetros do tempo, como temperatura, vento e radiação solar em alta resolução. A Atto é um dos projetos do Programa de Grande Escala Biosfera-Atmosfera na Amazônia (LBA). O gerente científico do LBA e coordenador do projeto Atto é o pesquisador do Inpa Niro Higuchi.

A Torre Atto é um consórcio entre o governo brasileiro e alemão, executado pelo Inpa, Unidade de Pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC); o Instituto Max Planck de Química e de Biogeoquímica e a Universidade do Estado do Amazonas (UEA). O investimento foi na ordem de R$ 26 milhões, rateados em 50% para cada governo.

Fonte: D24am

Últimas Notícias:

#Comprometimento e Responsabilidade Técnica

Desde o início da criação da Comissão CE.010:105.007 – Comissão de Estudos de Produtos Químicos para Saneamento Básico, Água e Esgoto da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), em março de 2004, atuo como profissional voluntário e imparcial em prol da sociedade brasileira. Esta Comissão faz parte do CB-10, Comitê Brasileiro de Química da ABNT.

Leia mais »
Cagece Rede Esgoto Chuvas

Cagece orienta sobre cuidados com a rede de esgoto durante período chuvoso

Com o início quadra chuvosa em todo o Ceará, os cuidados com as redes de esgoto e de drenagem precisam ser redobrados, e para evitar obstruções, extravasamentos e alagamentos, a Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) orienta que a população faça o uso correto dos dois sistemas. Dentre as principais orientações: não destinar água de chuva e lixo para a rede de esgoto da Cagece.

Leia mais »
Concessão Saneamento Itaú de Minas

Concessão do saneamento de Itaú de Minas já tem interessadas

Pelo menos duas empresas de saneamento do setor privado manifestaram interesse na concessão do serviço em Itaú de Minas, no Sul do Estado, durante a etapa de consulta pública, concluída em 21 de janeiro deste ano. As empresas são a Cristalina Saneamento e a Orbis Ambiental, que também disputou a licitação do serviço em Alpinópolis, cidade da mesma região e de tamanho similar a Itaú.

Leia mais »