saneamento basico

Brasil perde 2,4 bi por ano com a falta de tratamento do seu lixo urbano

Se houvesse investimento no tratamento de resíduos, o Brasil reduziria esses custos localizados principalmente com sua saúde pública, diz Presidente da ABREN. País gasta 3,8% do seu PIB também com esses gastos.

Imagem Ilustrativa

Investimentos no tratamento de resíduos sólidos urbanos (RSU) reduziriam significativamente o custo com a saúde pública, informa Yuri Schmitke Almeida Belchior Tisi, presidente da ABREN. Os 13 países com uma taxa de tratamento térmico de RSU, superior a 25% do total gerado, estão também entre os 16 primeiros países no índice de saúde e bem-estar do Fórum Econômico Mundial.

De acordo com dados do Banco Mundial, disponíveis no relatório Aspectos Fiscais da Saúde no Brasil, divulgado pela Secretaria do Tesouro Nacional, os gastos públicos com saúde no Brasil corresponderam a 3,8% do Produto Interno Bruto (PIB), em 2015. O país está na 64ª posição em gastos com saúde, no ranking com 183 países.

Segundo estudos da Associação Internacional de Resíduos Sólidos (ISWA), o custo do atendimento médico à população afetada pela má gestão dos RSU é calculado entre 10 e 20 $/T (dólares por tonelada) de RSU, equivalente a uma média de 75 R$/t (reais por tonelada). Em 28 regiões metropolitanas do Brasil com mais de 1 milhão de habitantes seria possível economizar cerca de R$ 2,4 bilhões por ano, ou seja, um valor de R$ 72 bilhões em 30 anos na saúde pública.

Por isso, a instalação de usinas de recuperação energética de resíduos (URE) permite incomensuráveis benefícios à saúde da população. Porém, o Brasil encontra-se entre os piores países do mundo no quesito gestão de resíduos sólidos urbanos (RSU).

Apesar de apresentar bons indicadores na coleta, o país carece de tratamento de destinação final ambientalmente adequada de RSU, sendo que apenas 2% é reciclado e 2% passa pela compostagem, e ainda aproximadamente 40% é enviado para lixões e aterros controlados.


LEIA TAMBÉM: Audiência pública debate construção de aterro para resíduos da construção civil em MG


Geração de Energia

As usinas de recuperação energética de resíduos (URE) são hoje a única forma de se atender os padrões da economia circular no Brasil, pois os aterros sanitários, por melhor que sejam, não são mais aceitos como parte da economia circular, que prevê a redução, reaproveitamento, reciclagem, compostagem da fração orgânica e recuperação de energia da fração não reciclável de resíduos.

Com base nesses dados, chegou-se no valor total de investimentos no Brasil de R$ 75 bilhões, que reflete o custo do CAPEX total de 118 usinas de 20 MWe de potência instalada, para atendimento de 3% da demanda nacional de eletricidade, fazendo o tratamento de 60 milhões de toneladas/ano de resíduos urbanos, que representa o lixo de 48% da população brasileira.

Ressalte-se que ainda existe enorme potencial de investimento em biodigestão anaeróbia da fração orgânica do resíduo sólido urbano, que pode gerar eletricidade a partir da queima do biogás ou gerar biocombustível a partir do biometano, que constitui cerca de 55% da composição do biogás, e é um gás renovável que pode ser misturado em qualquer fração com o gás natural.

Outro importante potencial reside no coprocessamento, que consiste na separação e blendagem do Combustível Derivado de Resíduos (CDR), fração não reciclável e inorgânica do RSU, que hoje já é utilizado em diversas cimenteiras em substituição ao coque (combustível fóssil), para produção de clínquer, utilizado na fabricação do cimento Portland.

O Brasil possui 38 fábricas com licença ambiental para o coprocessamento, mas substitui apenas 3% do combustível fóssil por CDR do lixo urbano, sendo que a Alemanha substitui 62%, Bélgica 58%, Suécia 49%, França 35%, Itália 36% e Portugal 19%.

Além disso, o número de lixões aumentou 10% de 2010 a 2020, mostrando assim a baixa efetividade da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), Lei nº 12.305/2010, e somente em 2020 o Plano Nacional de Resíduos Sólidos (PLANARES) entrou em consulta pública.

Fonte: Porto Gente.

Últimas Notícias:
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »