saneamento basico

Governo vai lançar novo plano para setor de energia

Brasília – Quase três anos após o pacote para o setor elétrico que teve o objetivo de reduzir as tarifas dos consumidores, a presidente Dilma Rousseff lança na próxima terça-feira um novo plano para o setor. Mas, desta vez, com praticamente nenhum impacto imediato para os usuários. Batizado como Plano de Investimentos em Energia Elétrica (PIEE), o novo pacote tratará de investimentos já previstos em obras de geração e transmissão para os próximos anos, sem trazer novidades palpáveis com relação a esses empreendimentos.

“Vai ser como fizeram lá atrás com o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), quando pegaram vários projetos que já existiam e colocaram um novo carimbo, uma nova logomarca. Na verdade, o governo vai anunciar um conjunto de coisas que já estão acontecendo”, disse ontem uma fonte após receber o convite para a cerimônia.

Na avaliação de outra fonte do setor, o anúncio tem mais caráter político do que prático, uma vez que os problemas pelos quais o setor elétrico passa continuam sem uma solução. Para essa fonte, a prioridade teria de ser resolver pendências que ainda restam da “desorganização” que resultou do pacote lançado em setembro de 2012.

“Existem questões nas mesas de negociação, como o risco hidrológico dos geradores e a renovação das concessões das distribuidoras, que são mais urgentes do que o anúncio de obras que já têm um cronograma e um calendário definidos”, disse. Entre as obras que podem fazer parte do Plano Nacional de Energia Elétrica está a usina hidrelétrica do Tapajós, eterna promessa que, ano após ano, tem sua construção adiada.

Confiança

Para o presidente da Associação Brasileira dos Investidores em Autoprodução de Energia (Abiape), Mário Menel, não há muito mesmo como fugir do cronograma programado para o setor, mas ele avalia que o lançamento do pacote pode melhorar a confiança dos investidores para os projetos necessários para a evolução do sistema elétrico brasileiro. “Mas seria importante que o pacote incluísse medidas para antecipar leilões de usinas e linhas de transmissão, cujos prazos de execução hoje são apertados.”

Já o presidente da Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee), Nelson Leite, considera que, mesmo sem uma influência direta nas tarifas cobradas nas contas, o novo pacote dará uma sinalização positiva para os consumidores. “Em 2012, o governo falou de preço, e agora o novo pacote com a garantia de investimentos no setor significa segurança energética”, avalia.

O presidente da Associação Brasileira das Companhias de Energia Elétrica (ABCE), Alexei Vivan, enfatiza que, apesar dos problemas atuais do setor, o Ministério de Minas e Energia tem se mostrado muito mais aberto ao diálogo do que era na gestão anterior.

Charles Lenzi, presidente da Associação Brasileira de Geração de Energia Limpa (Abragel), adianta que o segmento de Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) pode mais que dobrar sua capacidade atual de geração de 4,8 mil MW nos próximos anos, com projetos para cerca de 900 novas usinas com potência somada de até 10 mil MW. “As decisões de investimento em energia são de longo prazo, e esperamos que, para além do pacote, o governo também fortaleça a segurança regulatória e jurídica do setor”, disse.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »