saneamento basico

Recursos da Dinamarca podem ajudar empresas capixabas a reduzir consumo de energia

Nesta quinta-feira (25), o Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo (Bandes) e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) assinam, na sede do banco capixaba, um convênio com objetivo de estruturar uma estratégia de financiamento para apoiar projetos de eficiência energética do setor privado no Estado do Espirito Santo. Ou seja, as empresas capixabas contarão com um poderoso aliado para implantar projetos sustentáveis para reduzir o consumo de energia e as emissões de gás carbônico.

O convênio conta com recursos provenientes do Governo da Dinamarca, que serão utilizados no financiamento de serviços de consultoria especializada para realização de diagnósticos setoriais e outros estudos necessários para a implementação da estratégia. A articulação entre os dois bancos prevê o desenvolvimento do “Programa de financiamento de eficiência energética para empresas capixabas”. Trata-se de um programa inovador, com objetivo de estimular o uso mais racional e sustentável dos recursos naturais. Os projetos aprovados poderão utilizar como garantia aos financiamentos o “Seguro de Economia de Energia”.

No Brasil, além do Espírito Santo, haverá a estruturação de projetos de eficiência energética em Goiás, por intermédio da Agencia de Desenvolvimento de Goiás, e na Região Sul, com Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE).

As ações previstas neste convênio entre Bandes e BID integram o subprojeto “Programa Estadual de Eficiência Energética e de Energias Renováveis” sob a coordenação da Agência de Serviços Públicos de Energia do Estado do Espírito Santo (ASPE), dentro do projeto estruturante “Economia Verde” do Plano “Orientações Estratégicas do Governo do Estado 2015 – 2018”.

Eficiência energética

A geração de energia tem sido um tema recorrente no mercado produtivo brasileiro. Um dos grandes desafios para os empresários está em como reduzir estes custos, principalmente considerando-se que o uso energia participa das diversas fases de seus negócios. Uma forma direta de redução nos gastos está na implantação de ações de eficiência energética, ou seja, implantação de tecnologias mais inteligentes que permitam a redução do consumo de energia no dia a dia da empresa em todas as suas atividades.

Neste sentido, o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) criou uma garantia de crédito conhecida como EEGM, sigla em inglês para Mecanismo Garantidor de Eficiência Energética, para facilitar o acesso das empresas ao financiamento mais barato de projetos na área. No primeiro momento, um convênio entre entidades de financiamento regionais, como no caso do Bandes, irá mapear o mercado e formatar um programa para que empresários possam investir em projetos sustentáveis ligados à melhoria da eficiência energética e hídrica e à redução das emissões de gases causadores do efeito estufa.

Fonte: Folha Vitória
Foto: Divulgação

Últimas Notícias:
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »