saneamento basico
UFRN Resíduo Industrial

UFRN desenvolve material de baixo custo para tratar resíduo industrial

UFRN Resíduo Industrial

Uma mistura desenvolvida por pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) é capaz de tratar efluentes aquosos (que contém água), como aqueles produzidos pela indústria petrolífera, que carregam metais e têm caráter tóxico e cancerígeno.

O tratamento desses efluentes antes que sejam depositados em recursos hídricos, como os rios, evita a poluição desses ambientes e ecossistemas.

Primeiramente a tecnologia também permite o reaproveitamento desses efluentes para uso doméstico, como no caso de lavagens, além de um descarte correto que respeita a Resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente.

Pois o material é produzido a partir da quitosana, bentonita e biocarvão da Munguba, uma planta típica da América do Sul e que tem até mudas produzidas pela UFRN, que fez o pedido de patente da tecnologia junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi).

LEIA TAMBÉM: Secretaria de Agricultura prevê criar plano de ação para incentivar a irrigação no Estado de São Paulo

UFRN Resíduo Industrial

Contudo uma das vantagens do material é, justamente, seu baixo custo para produção.

“São técnicas de tratamento de efluentes consideradas como baratas e de simples implantação. Uma alternativa economicamente viável é o uso de materiais naturais com baixo valor agregado, os bioadsorventes. Dessa forma, o que fizemos foi valorizar o resíduo proveniente da casca do fruto da munguba, através da sua aplicação como potencial bioadsorvente para o tratamento da água produzida, avaliando a remoção de metais pesados, como cobre, chumbo e cromo pelo método de adsorção em banho finito”, Joemil Oliveira de Deus Júnior, doutorando no Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química da UFRN e um dos autores da pesquisa iniciada em 2021 e que deu origem ao pedido de patente.

Então a própria produção da mistura é feita a partir da utilização de dois materiais que podem ser obtidos de resíduos agroindustriais.

“No Laboratório de tecnologia ambiental, temos uma linha de pesquisa destinada ao tratamento de efluentes, onde fazemos o teste de novos materiais para remoção de contaminantes avançados de resíduos industriais, em especial a água produzida. O método de síntese empregado na invenção já está sendo testado com outras matérias-primas e sendo modificado para remoção de poluentes mais específicos e complexos”, detalha Karine Fonseca Soares de Oliveira, que também participou da pesquisa.

Por enquanto, ainda não há um prazo para que seja divulgado o resultado do pedido de patente. Atualmente, a UFRN tem mais de 600 ativos de propriedade industrial, entre patenteamentos e registros de programas de computador.

Além de Joemil e Karine, também participaram da pesquisa:

  • Dulce Maria de Araújo Melo, coordenadora do Laboratório de Peneiras Moleculares e o Laboratório de Tecnologias Energéticas;
  • Francisca Iara Araujo Franco,
  • Maria Antônia Cavalcante de Oliveira,
  • Marcus Antonio de Freitas Melo,
  • Renata Martins Braga,
  • Ângelo Anderson Silva de Oliveira.

Fonte: Saiba Mais.

Últimas Notícias:
Blindagem Valas Estroncas Flexíveis

Sistema de Blindagem de Valas com Estroncas Flexíveis

Para a execução de trabalhos neste tipo de ambiente, o sistema de Blindagem de Vala Europeu tem características técnicas desenvolvidas para atender aos requisitos da execução de obras em locais densamente urbanizados, com foco na preservação do meio ambiente e estruturas adjacentes.

Leia mais »