saneamento basico

Bancos buscam saída para evitar quebra das empreiteiras

Desdobramentos da Lava Jato levam grandes bancos a buscarem uma solução para evitar que a crise acabe por levar a um calote de proporções sem precedentes no sistema financeiro nacional; a ideia de barrar novos empréstimos permanece, mas as instituições financeiras vêm buscando soluções para evitar que empreiteiras investigadas como Odebrecht e Andrade Gutierrez, que possuem uma dívida altíssima, acabem na bancarrota; renegociação de prazos e alívio da pressão nos contratos prestes a vencer são algumas das alternativas analisadas.

Os desdobramentos da Operação Lava Jato, que investiga casos de desvios e corrupção em contratos da Petrobras, têm levado os grandes bancos a buscar uma solução para evitar que a crise acabe por levar a um calote de proporções sem precedentes no sistema financeiro nacional. A ideia de barrar novos empréstimos permanece, mas as instituições financeiras vêm buscando soluções para evitar que empreiteiras como Odebrecht e Andrade Gutierrez, que possuem uma dívida altíssima, acabem na bancarrota.

Segundo matéria publicada pelo jornal Valor Econômico, os bancos avaliam que é necessário que as construtoras mantenham um mínimo de liquidez até que se reorganizem. Segundo executivos destas instituições financeiras escutados pela reportagem, “as companhias precisarão vender ativos, desistir de novos projetos e até devolver concessões que ainda não haviam obtido financiamento”. Na semana passada, Odebrecht, Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez, Queiroz Galvão e Techint desistiram do contrato de montagem eletromecânica da usina de Angra 3, alegando atrasos da Eletronuclear nos pagamentos, o que já indica um reposicionamento destas empresas frente ao cenário atual.

Projetos já em andamento e que estavam com financiamentos contratados estão sendo acompanhados de perto e com muito mais rigor, apesar de não terem seu limite de crédito revisto. Em alguns casos, teriam sido adicionadas aos contratos cláusulas que possibilitam o vencimento antecipado caso a empresa seja condenada por corrupção. A expectativa é que este novo adicional ajudaria na concessão de crédito a estas empresas de maneira a evitar quebradeira. Em muitos casos também foram renovados os do tipo “standstill”, quando os cobradores aliviam a pressão sobre os contratos prestes a vencer.

Fonte. http://www.brasil247.com/pt/247/economia/193383/Bancos-buscam-solu%C3%A7%C3%A3o-para-evitar-quebra-de-construtoras.htm

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »