saneamento basico

Odebrecht e Solvi desistem da EGF

O agrupamento Portugal Ambiental, que integra os brasileiros da Odebrecht e da Solvi, afastou-se da corrida à privatização da empresa de resíduos sólidos urbanos EGF. O Diário Económico apurou que a Parpública recusou o seu pedido de adiamento, por 45 dias, do prazo para a entrega da proposta vinculativa, o que atiraria o fecho do negócio para Setembro.

O calendário fixado pelo Governo termina hoje. Na lista de sete concorrentes, que tinham passado à segunda fase da operação, restarão agora apenas quatro, dos quais dois portugueses, a DST e a Mota-Engil. Pelo caminho terão ficado, segundo fontes ligadas ao processo, os chineses da Beijing Capital e a Egeo, associada ao fundo de infra-estruturas Antin, a qual alertou também a Parpública para a dificuldade em cumprir o calendário. Já antes, dois candidatos chineses tinham abandonado o processo, a Águas de Pequim e a Sound Global.

A belga Indaver foi, até agora, a única a confirmar oficialmente que irá entregar uma oferta vinculativa para adquirir a totalidade do capital da EGF. Outro dos estrangeiros, a espanhola FCC, mantém silêncio sobre a operação. Contactada pelo Diário Económico, fonte oficial da Portugal Ambiental não quis comentar. Os brasileiros queixaram-se que não tiveram tempo suficiente para avaliar correctamente a EGF e o universo das suas 11 empresas, alegando que a versão final do contrato de compra e venda das acções só foi disponibilizada a 22 de Julho, na sequência do qual surgiram diversas dúvidas. Outro dos argumentos prende-se com o agudizar da litigância com os municípios, que se opõem à privatização. A gota de água seria, no entanto, a turbulência do mercado financeiro nacional. Apesar do apoio do governo brasileiro, traduzido na presença de um banco estatal no consórcio, a estruturação do financiamento complicou-se com o agravamento do caso Grupo Espírito Santo, ao serem exigidas garantias adicionais pelos bancos estrangeiros. O Banco Espírito Santo e a Caixa Geral de Depósitos eram os assessores financeiros da Portugal Ambiental. O Diário Económico sabe ainda que o agrupamento se preparava para rever
em alta a sua proposta inicial, classificada em último lugar, e que continua a manifestar interesse na EGF.

Fonte e Agradecimento: DIARIO ECONOMICO (PORTUGAL)

Últimas Notícias:
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »