saneamento basico

Paraty assina convênio para saneamento e água potável

Pela primeira vez na história, segundo a assessoria de imprensa da prefeitura de Paraty, o Executivo assina uma Parceria Público Privada (PPP) com a participação do governo do Estado, para ações de esgotamento sanitário e de abastecimento de água potável na cidade. Ainda participa deste compromisso, a Eletronuclear e a concessionária Águas do Brasil assina o contrato para as obras no próximo dia 7.

A presidente do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), Marilene Ramos, que estava representando a Secretaria de Estado de Meio Ambiente, assinou, na última quinta-feira, ao lado do prefeito de Paraty, Casé, o convênio que irá atender a uma luta histórica de toda a comunidade, ou seja, obras de saneamento e de abastecimento de água.

Essa PPP é um processo único e totalmente inovador que irá resolver tanto a questão de abastecimento de água, quanto à questão de esgotamento sanitário de Paraty. É um escândalo que uma cidade como Paraty que é uma joia da coroa do turismo nacional ainda tenha esgoto jorrando pelas calçadas de pedra portuguesa e poluindo suas praias, isso é inadmissível“, disse Marilene.

O total de investimentos para as iniciativas, de R$ 83 milhões, será composto por: R$ 13 milhões da Prefeitura de Paraty; R$ 20 milhões da Eletronuclear, oriundo de uma condicionante de licença ambiental para construção de Angra 3; R$ 35 milhões do Fundo Estadual de Conservação Ambiental (Fecam), da SEA; e R$ 15 milhões da concessionária privada Águas do Brasil. A concessionária Águas do Brasil, já licitada pelo município, irá assinar o contrato com a prefeitura no dia 7 de fevereiro.

Previstas para iniciarem em março de 2014, as obras incluem a melhoria do sistema de abastecimento de água do município, com a construção de uma Estação de Tratamento de Água (ETA) – com capacidade para tratar 130 litros de água por segundo – e a implantação de um sistema de prevenção de incêndio no Centro Histórico, além de melhorias nos sistemas de Pedra Branca, Corisquinho e Caboclo.

No caso do esgotamento sanitário, estão previstas nos quatro primeiros anos a instalação de 56 quilômetros de rede coletora de esgoto – que atenderá cerca de 6300 domicílios – e a construção de uma estação de tratamento de esgoto com capacidade para tratar inicialmente 100 litros de esgoto por segundo, e vazão máxima para 134 litros por segundo. O prefeito Casé disse que em cinco anos as obras deverão beneficiar 70% da população de Paraty, ou aproximadamente 26 mil habitantes.

Esse convênio tem uma importância gigantesca para o município. Paraty não tem um litro de esgoto tratado, cada um tem seu sistema precário de fossa séptica. Esse projeto vai ser uma revolução para toda a cidade em questão de saúde, de turismo e para acabar com o esgoto in natura que vai parar nos rios. Em cinco anos toda malha urbana vai ser atendida com tratamento de esgoto e abastecimento de água“, afirmou.

O superintendente de Políticas de Saneamento da SEA, Victor Zveibil, ressaltou a importância dessas intervenções para a redução da poluição dos importantes rios da cidade, o Perequê-Açu e Mateus Nunes.

Com 37.500 habitantes (IBGE/2010), o Município de Paraty apresenta coleta e o tratamento de esgoto em condições precárias. Segundo a prefeitura, na década de 1970, com aproximadamente seis quilômetros de extensão e atendendo inicialmente a 950 ligações prediais, foi construída uma rede de esgotamento sanitário que cobriu apenas uma parte da área central e do Centro Histórico. Atualmente, essa rede encontra-se inoperante e comprometida, sendo fundamental a construção de nova rede de esgotamento sanitário.

Fonte: A Voz da Cidade
Veja mais: http://www.avozdacidade.com/site/page/noticias_interna.asp?categoria=3&cod=30978

Últimas Notícias:
Membrana de nanofiltração

Avaliação de uma membrana de nanofiltração para a remoção de antibióticos da água: um estudo de caso com Sulfametoxazol, Norfloxacina e Tetraciclina

Nesse contexto, o presente estudo avalia a nanofiltração, uma tecnologia de membranas filtrantes, na remoção de três antibióticos largamente consumidos (Tetraciclina, Norfloxacina e Sulfametoxazol) da água. Foi empregada a membrana NF270 (DOW – FilmTec), uma membrana de poliamida com massa molecular de corte de 400 Da que foi avaliada em termos de produtividade e capacidade de remoção dos antibióticos.

Leia mais »