saneamento basico
sanesul

Tratamento do esgoto, serviço essencial e desafiador para Mato Grosso do Sul

Sua função é reduzir os impactos ambientais que poderiam ser causados sem o devido tratamento

As Estações de Tratamento de Esgoto são unidades operacionais do sistema de saneamento que recebem os efluentes do esgoto doméstico e devolve tratado para a natureza. Sua função é reduzir os impactos ambientais que poderiam ser causados sem o devido tratamento.

Atualmente, existem 64 estações de tratamento de esgoto em operação pela Sanesul. Há 9 estações em fase de construção, algumas já em pré-operação e outras 4 estão sendo ampliadas. Todo esgoto coletado nas cidades operadas é devidamente tratado pela empresa que possui laboratórios onde são feitas análises diárias atendendo as exigências legais dos governos federal e estadual.

Os perigos dos efluentes serem descartados no meio ambiente sem o devido tratamento é que eles afetam diretamente o solo, a água e a saúde humana.

Os mananciais de água, por exemplo, são fundamentais para que possamos ter uma boa qualidade de vida. Por meio deles, conseguimos água para beber e utilizar nas nossas principais atividades diárias. O esgoto sem tratamento quando atinge os mananciais, contamina e compromete a qualidade da água.

LEIA TAMBÉM: SANESUL NEGOCIA PROJETO DE R$ 3,6 BI PARA SANEAMENTO

Poluição

Já a poluição do solo altera suas características, transformando-se em uma ameaça à saúde pública por deixar o ambiente propício ao desenvolvimento de transmissores de doenças como a cólera, disenteria, meningite, amebíase e hepatites A e B, desencadeadas principalmente por efluentes sanitários.

A coleta, o tratamento e a destinação adequada do esgoto tornou-se um desafio para o Brasil, onde a maioria da população ainda não possui acesso ao serviço.

O cenário ideal é a universalização do esgotamento para toda a população. Isso significa que todos os municípios devem ter rede de coleta disponível para todos os imóveis, com estações de tratamento operando dentro dos padrões exigidos pela legislação.

A Sanesul está investindo em parcerias justamente para atingir o cenário ideal. Ela está vinculada ao Governo do Estado que pretende fazer de Mato Grosso do Sul o primeiro do país a universalizar o saneamento.

PPP

Em 41 anos de atuação, atingiu a universalização do abastecimento de água nas localidades operadas.

Agora, mantém um cronograma de obras de infraestrutura em rede de esgoto e construção de ETEs, com recursos próprios e Federais, além de estar buscando no projeto da Parceria Público-Privada/PPP a aceleração do processo da universalização do esgotamento.

A meta com a PPP da Sanesul é atingir 98% de cobertura em até 10 anos, por meio de obras e serviços de implantação, recuperação, manutenção e operação da infraestrutura de esgotamento.

LEIA TAMBÉM: SANESUL APROVA EDITAL PARA LICITAÇÃO DA PPP DO SANEAMENTO

Concessão

A alternativa da Parceria Público-Privada/PPP é uma forma de dar ao Governo maior capacidade de provisão para os serviços públicos ao mesmo tempo em que busca mais eficiência em suas atividades. No caso da Empresa de Saneamento de MS, o principal objetivo é garantir que as obras aconteçam de forma mais rápida no menor espaço de tempo possível.

Na modalidade de concessão administrativa, cujo controle e fiscalização continuam com a Sanesul, o projeto prevê beneficiar 1,7 milhão de sul-mato-grossenses dos 68 municípios atendidos pela empresa estatal.

Com a Parceria Público-Privada/PPP, Mato Grosso do Sul conseguirá cumprir o compromisso com a Organização das Nações Unidas (ONU) – uma resolução pela ONU, assinada em 28 de julho de 2010, declarou o acesso à água limpa e segura e ao saneamento básico como direitos fundamentais.

O critério de julgamento da concorrência é o menor valor da contraprestação considerando o menor preço unitário, correspondente ao valor em reais/m³ de esgoto.

O edital de concorrência e seus anexos estão disponíveis no site  www.sanesul.ms.gov.br/licitacao/concorrencia.

Fonte: A Crítica.

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »