saneamento basico

A resposta da população à crise da água em São Paulo

As notícias sobre a crise de abastecimento de água em São Paulo não são boas: “Sem volume morto, Cantareira já estaria sem água neste sábado (12/7)”, “Mesmo com chuva no Cantareira, nível continua caindo” e “Cinco represas do Alto Tietê chegam ao menor nível dos últimos dez anos” são três exemplos das recentes manchetes sobre o tema. Enquanto escrevo essas linhas, os níveis dos reservatórios que abastecem a região metropolitana, segundo a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), estão em: Cantareira – 17,8%; Alto Tietê – 23,4%; Alto Cotia – 45,0% e Guarapiranga – 69,1%, sendo esperado que baixem ainda mais nos próximos dias, já que o agravamento tem sido cotidiano e não há previsão de chuvas nessas regiões.

Em meio à crise – que revelou um fraco sistema de gestão de recursos hídricos – uma notícia positiva chama atenção: a adesão de grande parte da população à campanha para economia no consumo de água. Anunciada tardiamente pelo governo do Estado, em março deste ano, a campanha foi uma medida de emergência em razão da seca.

No mês de maio, 90% dos atendidos pelo sistema Cantareira reduziram o consumo. Desses, 48% atingiram a redução de 20% em relação a media mensal do ano passado, recebendo o bônus de 30% no valor da conta. Em junho, no entanto, houve uma queda no número de poupadores, que passou para 86%, de acordo com reportagem da Folha de S.Paulo. Mesmo assim, dos que pouparam, 54% atingiram a meta dos 20%, o que resultou num ligeiro aumento na economia de água.

O motivo pela queda do número de poupadores ainda não foi identificado – se foi devido à Copa, às férias escolares ou ao fato de as campanhas por economia de água terem sua visibilidade reduzida no último mês. De qualquer forma, diante da grave situação dos reservatórios e do clima, a questão é que os consumidores precisam continuar a poupar.

A adesão da sociedade no chamado à economia de água demonstra que os cidadãos entenderam que a situação é grave, se engajaram e mudaram de comportamento para colaborar. Indica também que políticas públicas positivas, como a de incentivo a boas práticas por meio de bônus, devem ser implementadas de forma permanente, não apenas na crise.

Das pessoas que não aderiram à campanha, muitos são moradoras de prédios e condomínios. Dois são os motivos principais. Em primeiro lugar, o fato de que muitos prédios têm grandes reservatórios, caixas d’água e captações próprias em poços privados, o que gera uma falsa ideia de que a crise não os afetará, já que têm suas reservas para momentos críticos de desabastecimento. Em segundo lugar, o fato de que não há em grande escala mecanismos de medição individualizada, por apartamentos, o que precisa ser implantado rapidamente nos condomínios verticais.

Alguns municípios, como São Paulo, Campinas, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e no Distrito Federal, já contam com Leis que impõem a obrigatoriedade dos hidrômetros individuais em projetos de novos condomínios. Em edifícios antigos, a mudança ainda fica por conta do interesse dos moradores. A própria Sabesp tem, desde 2007, um programa que qualifica e certifica profissionais, empresas e equipamentos responsáveis por realizar a medição individual em condomínios – o Pro Acqua. No site do programa, ou no tel. 0800-7712482, interessados podem solicitar informações sobre medição individualizada para o seu condomínio.
Ações como essa são essenciais para minimizar os impactos da crise. Importante lembrar que a economia de energia também representa menor pressão às reservas de água, uma vez que nossa matriz energética é hídrica. E o fundamental: cidadãos, tendo suas reservas ou não, devem adotar de forma permanente, e em qualquer época, o uso sustentável da água em suas ações diárias e continuar cobrando dos governantes, nos municípios, no Estado e no governo federal, investimentos em saneamento e inclusão da água como uma questão prioritária e essencial. Agora, neste momento, é preciso economizar ainda mais, mesmo que isso possa significar abrir mão de alguns confortos momentâneos. Cada gota economizada, ou bem utilizada, em uma metrópole fará muita diferença.

A crise hídrica que vivemos em São Paulo é alarmante, mas também é um alerta. Segundo a Organização das Nações Unidades (ONU), se não houver mudanças de hábitos no curto prazo, até 2030 quase metade da população mundial sofrerá com desabastecimento e os milhares que já não possuem acesso à água potável terão sua situação complicada.

Fonte: Blog do Planeta – Época

Veja mais: http://epoca.globo.com/colunas-e-blogs/blog-do-planeta/noticia/2014/07/resposta-da-populacao-bcrise-da-agua-em-sao-paulob.html

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »