saneamento basico

Piscicultor é suspeito de causar poluição no rio que abastece Maringá

O despejo irregular de água de tanques de peixes no Rio Pirapó, em Maringá, no norte do Paraná, é apontado como a principal causa do mau cheiro e gosto ruim da água que abastece a cidade. O laudo foi divulgado na manhã desta terça-feira (21) pela Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar), pelo Instituto Ambiental do Paraná (IAP) e pela Polícia Militar Ambiental (PMA).

Os moradores começaram a reclamar do gosto e do cheiro da água distribuída pela Sanepar no fim de dezembro de 2013. À época, a companhia informou que o problema foi causado pelo excesso de algas no rio, mas estruturou uma força-tarefa para identificar a origem do problema.

Conforme a PMA, a equipe de técnicos sobrevoou 110 quilômetros do Rio Pirapó e os técnicos confirmaram que existem criadores de peixes às margens do rio. Em patrulha por terra, a equipe descobriu que um piscicultor de Sabáudia, no norte do estado, estava despejando a água dos tanques sem realizar o tratamento exigido pelo IAP. Em depoimento à polícia, o suspeito disse que jogava a água dos tanques diretamente em um córrego do Rio Pirapó e afirmou que essa prática é comum entre piscicultores da região.

Nós descobrimos a irregularidade nesse piscicultor, e há outros três produtores, cujas propriedades estão próximas a central de captação de água, que têm um grande potencial poluidor. Estes proprietários também serão investigados“, afirma Valteir da Nóbrega, gerente regional da Sanepar.

A Sanepar afirmou que vai intensificar a inclusão de carvão ativado na água tratada para eliminar as microalgas que causam o cheiro e o gosto ruins até que a situação volte ao normal. A PMA, Sanepar e IAP vão oferecer denúncia ao Ministério Público contra o piscicultor.

Fonte: G1
Veja mais: http://g1.globo.com/pr/norte-noroeste/noticia/2014/01/piscicultor-e-suspeito-de-causar-poluicao-no-rio-que-abastece-maringa.html

Últimas Notícias:
Membrana de nanofiltração

Avaliação de uma membrana de nanofiltração para a remoção de antibióticos da água: um estudo de caso com Sulfametoxazol, Norfloxacina e Tetraciclina

Nesse contexto, o presente estudo avalia a nanofiltração, uma tecnologia de membranas filtrantes, na remoção de três antibióticos largamente consumidos (Tetraciclina, Norfloxacina e Sulfametoxazol) da água. Foi empregada a membrana NF270 (DOW – FilmTec), uma membrana de poliamida com massa molecular de corte de 400 Da que foi avaliada em termos de produtividade e capacidade de remoção dos antibióticos.

Leia mais »