saneamento basico

Richa vistoria obras de melhoria na ETE Belém

O governador Beto Richa esteve, nesta quinta-feira (06), na Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Belém, da Sanepar, em Curitiba, que é uma das maiores do Paraná e é responsável pelo tratamento do esgoto gerado por cerca de 600 mil pessoas da capital e São José dos Pinhais.

Junto com o presidente da Sanepar, Mounir Choawiche, e o prefeito de São José dos Pinhais, Luiz Carlos Setim, Richa vistoriou as obras de melhoria que criarão condições para que a estação opere com mais eficiência, dentro da capacidade atual de tratar 840 litros de esgoto por segundo. O investimento nestas obras é de R$ 42,5 milhões.

Ainda em 2015, a Sanepar vai licitar a segunda etapa, que é a ampliação desta ETE. A capacidade de tratamento deverá saltar para 2.520 litros por segundo. O investimento estimado para a segunda fase é de R$ 60 milhões. A licitação será aberta ainda neste ano e as obras começam no primeiro trimestre de 2016.

O governador visitou, também, as obras da planta de tratamento de lodo de esgoto e resíduos orgânicos, em construção dentro das instalações da ETE Belém. Esta unidade terá capacidade para gerar 2,8 MW de energia.

“Estas obras são mais um exemplo do esforço permanente da Sanepar para garantir água e tratamento de esgoto“, afirmou o governador Beto Richa. “Investir em saneamento é promover a saúde da população paranaense. Nos últimos quatros anos e meio a Sanepar fez investimento recorde de R$ 2,5 bilhões, sendo reconhecida nacionalmente como a melhor companhia de saneamento do Brasil. As aplicações são permanentes e o resultado pode ser visto em todo o Estado”, disse o governador.

Richa destacou o prêmio que a empresa receberá no dia 24 de agosto, do jornal Valor Econômico, reconhecendo a Sanepar como a maior empresa de saneamento do Brasil. “Este reconhecimento é a demonstração inequívoca de que estamos no caminho certo ao fortalecer esta companhia que tanto tem trabalhado pela qualidade de vida de nossa população”, ressaltou.

PRIMEIRA VEZ – Em operação desde 1980, esta é a primeira vez que a ETE Belém passa por ampla reforma. A previsão é que esta etapa da obra esteja concluída no primeiro semestre de 2016.

Para Mounir Choawiche, os investimentos que a Sanepar está executando na ETE Belém, além de permitir cuidar melhor da saúde dos moradores de Curitiba e de São José dos Pinhais, são uma prova do cuidado e da relação que a Companhia tem com o Rio Iguaçu. “O Iguaçu recebe o efluente do esgoto tratado na ETE Belém e as obras de melhorias vão permitir aumentar o grau de pureza do efluente.

“Depois de 35 anos de inaugurada, o Governo do Estado irá investir mais de R$ 100 milhões na estação, para modernizar e ampliar o sistema. Isso gera, além de qualidade de vida, também emprego e renda à população em um momento em que o País tanto precisa de investimentos em infraestrutura”, afirmou Chaowiche. Ele disse que os nvestimentos vão garantir para essa região o atendimento para os próximos 30 anos, considerando o desenvolvimento e o crescimento das duas cidades.

“Estas obras demonstram a responsabilidade social da Sanepar e do Governo do Estado e sua preocupação com o meio ambiente e com a qualidade de vida de nossa população”, disse o prefeito de São José dos Pinhais, Luiz Carlos Setim.

AUMENTO DA DEMANDA – O gerente geral da Sanepar para a Região Metropolitana e Litoral, Celso Thomaz, explicou que o conjunto de obras que está sendo feito nesta etapa e a substituição de equipamentos, além de garantir maior eficiência operacional, também prepara a ETE Belém para a grande ampliação que será feita na sequência. “A ampliação é necessária para atender o aumento da demanda do esgoto coletado”, disse.

A ETE Belém foi projetada no final dos anos 1970 e está em operação desde 1980. O projeto original previa o atendimento de 1,4 milhão de habitantes e o tratamento de 2.500 litros de esgoto por segundo. Ao longo dos anos, em vez de expandir a ETE Belém, a Sanepar optou por construir ETEs em outras áreas da Região Metropolitana de Curitiba.

PRESENÇAS – Acompanharam a vistoria o Secretário-chefe da Casa Militar, coronel Adilson Castilho Casitas; o presidente do Instituto Ambiental do Paraná (IAP), Luiz Tarcísio Mossato Pinto; e o deputado estadual Alexandre Curi, além de funcionários da Sanepar.

CONFIRA O QUE ESTÁ EM ANDAMENTO NA ETE BELÉM

Para assegurar maior eficiência operacional, entre outras intervenções, está sendo ampliada a capacidade da estação elevatória de esgoto bruto; duplicado o sistema preliminar existente; implementadas melhorias no processo de tratamento de esgoto e promovida adequação às condições de vazão atual afluente.

Os principais elementos da obra em construção são: entrada do interceptor de 2000mm e três caixas extravasoras; sistema de grades; elevatória de esgoto bruto 2; elevatória de água para lavagem das grades; elevatória de recirculação de lodo e recalque até os tanques de aeração; decantador secundário; canal do efluente final; casa de coleta de amostras; sistema para descarga de caminhões limpa-fossa; reforma e melhorias da Elevatória de Esgoto Bruto existente.

UNIDADE VAI GERAR 2,8 MW DE ENERGIA

A planta de tratamento de lodo de esgoto e resíduos orgânicos, em construção dentro das instalações da ETE Belém, que também foi visitada pelo governador, terá capacidade para gerar 2,8 MW de energia, suficiente para abastecer 2.100 unidades consumidoras ou 8.400 pessoas. O investimento na unidade, que deve entrar em operação em março de 2016, é de R$ 60 milhões.

A matéria-prima para geração de energia será os resíduos orgânicos gerados na Ceasa por grandes geradores como shoppings, supermercados, e o lodo de esgoto proveniente da estação de tratamento de esgoto.

Inicialmente, o processo será de geração de energia térmica pela biodigestão, aproveitando o biogás gerado na decomposição dos resíduos orgânicos e do lodo de esgoto. Ao final do processo, será produzida energia elétrica, pelo processo de cogeração, que está em fase de licenciamento e aprovação legislativa.

Últimas Notícias:
Projetos ESG Resultados no Saneamento

Projetos ESG e seus resultados no saneamento

Projetos ESG são práticas adotadas por empresas com base em critérios ambientais, sociais e de governança corporativa. A implementação bem-sucedida de projetos ESG reduz riscos e impactos sociais, ambientais e financeiros das operações. Dessa forma, atraem investidores e contribuem para a sustentabilidade das atividades.

Leia mais »
Descarte Correto de Resíduos

Saiba como descartar resíduos corretamente e evitar doenças como a dengue

Além de crime ambiental, o descarte irregular de resíduos sólidos traz diversos prejuízos ao meio ambiente e à população. Estes pontos se tornam ambientes propícios para a proliferação de vetores de doenças, levando às situações de alagamentos em período de chuva, comprometendo a qualidade do ambiente e da paisagem do local, além de gerar o aumento dos custos públicos com a remoção do material descartado de forma incorreta e também dos gastos com saúde pública.

Leia mais »
Contrato Sabesp Vale do Paraíba

Novo contrato da Sabesp prevê aporte de R$ 18,6 bilhões no Vale do Paraíba até 2060

Atualmente em consulta pública, o novo contrato da Sabesp encontra-se em processo de desestatização, proposto pelo governo do estado de São Paulo. Os investimentos estão previstos em R$ 18,6 bilhões até o ano de 2060, no Vale do Paraíba e Litoral Norte. Cerca de R$ 5 bilhões serão destinados à universalização do saneamento básico nas 28 cidades atendidas pela Sabesp na região até 2029. As obras que pretendem levar água potável, coleta e tratamento de esgoto para toda a população, foram definidas com as prefeituras.

Leia mais »
Dmae Fumaça Ligações Irregulares

Dmae de Uberlândia/MG vai iniciar testes de fumaça para identificar ligações irregulares de esgoto

A partir da próxima segunda-feira (4), o Departamento Municipal de Água e Esgoto (Dmae) iniciará testes de fumaça para detectar ligações irregulares na rede de esgoto do município. O primeiro bairro atendido será a região do bairro Pampulha. O local em questão foi escolhido para iniciar os trabalhos devido ao grande número de chamados para desobstrução de rede, especialmente em período de chuva. Futuramente, outros bairros da cidade receberam os mesmos testes.

Leia mais »
Manejo de Resíduos Biometano Brasileiro

Ao custo global de R$ 3,1 tri, manejo de resíduos pode virar negócio, como o biometano brasileiro

Segundo alerta feito pela ONU nesta quarta-feira, 28, o volume de resíduos no mundo, que atingiu 2,3 bilhões de toneladas em 2023, continuará crescendo exponencialmente, até 3,8 bilhões de toneladas até meados deste século. A crise será ainda mais grave nos países onde os métodos de tratamento ainda são poluentes: aterros sanitários (contaminação do solo, emissões de poluentes e gases de efeito estufa, como o metano) e incineração sem recuperação.

Leia mais »
Sanasa Campinas Saneamento Básico

Campinas tem saneamento superior à média nacional

Dados do “Censo 2022: Características dos domicílios – Resultados do universo”, publicados na sexta-feira (23) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) confirmam a elevação dos indicadores de moradores com acesso ao saneamento básico em Campinas.

Leia mais »